technology

tv tribuna

recent posts

tv
tv

Paraibana desempregada ganha R$13,8 milhões na Mega-Sena

Após única aposta de R$ 1,75, uma paraibana que estava desempregada ganhou o prêmio de R$ 13,8 milhões no concurso 1.016 da Mega-Sena, sorteado no último sábado (25). A aposta vencedora foi feita na lotérica Tambaú, em João Pessoa.
A vencedora declarou em reportagem do portal Terra que se surpreendeu com a notícia de que havia sido a única premiada. 'Conferi outro dia o resultado em um jornal impresso. Simplesmente não acreditei que eu era dona dos R$ 13,8 milhões, e sozinha', disse a paraibana. Ela ainda disse que vai aplicar o prêmio na poupança.
O próximo concurso (1.018) será realizado no sábado, a partir das 20h. O prêmio para quem acertar as seis dezenas sorteadas é estimado em R$ 3 milhões.

Clinton diz em comício que Obama é futuro do país

O antigo e o novo líder do Partido Democrata, Bill Clinton e Barack Obama, juntaram forças numa convocação para a mudança política, a seis dias da eleição presidencial dos Estados Unidos. Na primeira vez em que apareceram juntos num evento de campanha, Clinton e Obama discursaram para cerca de 35 mil pessoas perto de Orlando, na Flórida. O ex-presidente disse que Obama representa o "futuro do país" e exortou a multidão a derrotar o republicano John McCain. "A campanha presidencial é a maior entrevista de emprego do mundo", comparou Clinton. "E, na terça-feira, você fará a contratação". Clinton já havia afastado qualquer ressentimento que possa ter sentido pela derrota de sua esposa, Hillary Clinton, quando deu sua primeira manifestação de apoio a Obama, na convenção democrata, em agosto.Ele também comparou a prosperidade da época do seu mandato na Casa Branca, nos anos 90, à crise econômica na qual o país se encontra atualmente. O ex-presidente disse ainda que Obama, confrontado com a crise, voltou-se para seus próprios assessores, incluindo executivos da era Clinton, ao invés de fazer escolhas eleitoreiras. "Isso é o que um presidente faz numa crise: o que é certo para os EUA", discursou.Clinton criticou o candidato republicano John McCain por dizer que a política tributária de Obama é uma redistribuição quase socialista. Sob o governo George W. Bush, afirmou Clinton, os republicanos impuseram "a maior redistribuição de riqueza desde os anos 20 e todos sabem como isso terminou". "O que o senador Barack Obama tem é um plano que funciona do começo ao fim", disse Clinton. "Nós fizemos mais milionários e bilionários do que eles... Porque a renda da classe média estava aumentando, e é isso que Barack Obama fará de novo", acrescentou. Obama, por sua vez, elogiou o ex-presidente como um "gênio político" e aplaudiu Hillary Clinton. "Quando ouvimos Bill Clinton, lembramos do que é ter um presidente que é apaixonado, que é esperto... Que tem energia, que tem visão", elogiou. "Começamos a sentir saudades dos 28 milhões de novos empregos, de um superávit orçamentário e de uma economia que funcionava para todo mundo." As informações são da Dow Jones.

Juro do cartão de crédito é o maior em 5 anos

TRIBUNA DA BAHIA Notícias
Como pode uma dívida de R$ 1.500,00 se transformar num pesadelo e acabar resultando na venda de um carro? Assim é a história da pedagoga Ana Nascimento, 28 anos, que em oito meses viu a dívida que havia contraído no cartão se tornar uma verdadeira bola de neve sem precedentes. “Minha mãe adoeceu e tive que comprar remédios para o tratamento. No começo não me preocupei porque achava que o alto limite do cartão de crédito compensaria, mas esqueci da hora do pagamento. A coisa se tornou tão absurda que quando finalmente decidi negociar com a operadora verifiquei que o acordo que eles fizeram para mim só tinha sido vantajoso para eles”, desabafa. Ela revela que no final das contas a dívida chegou a R$ 3 mil e temendo não conseguir liquidar decidiu vender o automóvel para sair do sufoco. “Foram momentos muito difíceis. Não conseguia dormir, fiquei apavorada com a possibilidade de perder meu emprego e não ter como sanar a dívida. Enfim, vivi um pesadelo”, declara. Segundo a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade, Anefac, a taxa de juros cobrada no cartão de crédito em setembro foi a mais alta registrada desde novembro de 2003. Segundo a entidade, a taxa passou de 10,44% ao mês em agosto deste ano para 10,46% ao mês em setembro, alta suficiente para fazer com que os juros do cartão de crédito fossem os maiores em cinco anos. Em novembro de 2003, o consumidor pagava, de juros, pelo atraso do pagamento da fatura de cartão de crédito, uma taxa de 10,47% ao mês. Segundo o presidente do Conselho Regional de Economistas da Bahia, Paulo Dantas da Costa, o endividamento através do cartão de crédito é considerado por ele como uma das formas suicidas para o financiamento de gastos no final do mês. “As taxas cobradas são extremamente elevadas. Para o cidadão que vive de salário eu aconselho agora que estamos chegando ao final do ano pegar seu 13º salário e quitar todas as dívidas. Ficar devendo num cenário de recessão como este em que estamos vivendo é muito ruim”, diz. O presidente do Conselho de Economia ainda recomenda aos devedores tomarem empréstimos com taxas mais reduzidas que ainda estão sendo praticadas para liquidar a dívida. “Cabe ao indivíduo compreender que o cartão de crédito deve atingir somente 30% do limite de sua renda. Se o trabalhador ganha R$ 1 mil, por exemplo, ele pode se endividar somente até R$ 300 no cartão”, alerta. Um dos conselhos de Paulo Dantas da Costa é evitar pagar só o mínimo ou não pagar nada. Para ele é importante quitar toda a dívida evitando o risco de ficar pagando juros. O valor mínimo da fatura, que em geral varia entre 10% e 20% do seu total, na maioria das vezes, não melhora a situação no mês seguinte e, antes mesmo que possam se dar conta, o saldo da fatura do cartão dobra e a dívida se transforma em uma imensa bola de neve. Os dados da Anefac revelaram que, no caso dos juros do comércio, a taxa em setembro também foi a maior desde novembro de 2003. Há cinco anos, ela era de 6,65% ao mês, contra 6,26% no mês passado. A taxa em empréstimo pessoal em bancos registrou 5,51% ao mês.

Rompimento com o PMDB está por um fio

mal estar entre o PT e o PMDB, instaurado na sucessão municipal, que colocou as duas siglas frente a frente, pode chegar ao fim de forma “drástica”. Informações dão conta de que tão logo o governador Jaques Wagner retorne do exterior, o rompimento com um dos maiores partidos no Legislativo estadual estaria selado de forma definitiva. A idéia inicial de Wagner, segundo circula nos bastidores, seria abrir espaço no governo para o PP, partido que almeja há meses fazer parte da base, utilizando para isso, entretanto, as pastas que hoje estão nas mãos de peemedebistas, a exemplo da de Infra-Estrutura, sob a responsabilidade de Batista Neves. Decisão esta que os peemedebistas não aceitariam em hipótese alguma e, conseqüentemente, acabariam por decretar o tão ensaiado rompimento. Vale ressaltar que, ainda que por outros motivos – pessoais – , a largada já foi dada por Maria Luíza, esposa do prefeito João Henrique, que abandonou a base governista, embora declare apoiar os projetos de interesse do Estado. O “estopim” teria sido a possibilidade de ver o PMDB sair vitorioso em mais uma disputa, desta vez a que envolve a presidência da Assembléia Legislativa da Bahia, onde nem mesmo o risco de perder o apoio de nove deputados e ver os seus projetos travados, para contar com apenas cinco do PP o faria mudar de idéia. O peemedebista Arthur Maia, já deixou claro o seu desejo de presidir a AL, assim como o atual presidente Marcelo Nilo (PSDB), indicação de Wagner na legislatura passada, a sua vontade de reeleger-se. Procurado pela Tribuna, o deputado federal e presidente do PP na Bahia, Mário Negromonte não descarta uma negociação futura com o governador. “Não existe nada acertado. Mas, há muito estamos conversando com Wagner, neste sentido. O último contato foi no ano passado, mas uma conversa não está descartada”, destacou. Os deputados estaduais, por sua vez, apesar de não esconderem a insatisfação quanto ao fogo cruzado, pelo menos por enquanto, preferem se esquivar da polêmica. Este foi o caso da parlamentar Virginia Hage. “Tudo não passa de especulação. O governador ainda não teve nenhuma conversa conosco sobre isso. Portanto, o PMDB continua marchando ao lado do PT”, garantiu, deixando escapar que “ao nosso conhecimento não chegou nada ainda de concreto”. Enquanto isso, o fato é que já é grande a corrida pela presidência da AL. Se por um lado o peemedebista acusa o tucano de tentar destituir as lideranças das bancadas, no sentido de favorecer o governo e assegurar a sua reeleição e afirma ainda, que o seu partido possui documento assinado por Nilo em que ele se compromete a não disputar a presidência novamente – “essa questão virá à tona em momento oportuno” –, o atual presidente não deixa por menos e rebate as acusações. De acordo com ele, o documento citado pelo deputado peemedebista diz apenas que havia se comprometido a apoiar o candidato ao seu atual cargo indicado pela base do governo Wagner. “Além disso, quando assumi o compromisso, sequer era presidente da Casa. Vou apoiar o candidato da base, mas como eu faço parte de um partido da base e ela resolver por bem me indicar, vou pensar no assunto. Assim, cumpro a promessa e apóio o candidato da base”, declarou. (Por Fernanda Chagas)

Combater pirataria é o mesmo que enxugar gelo

O delegado titular do Grupo Especializado na Proteção a Propriedade Intelectual (Geppi), Marcelo Tannus, comparou o combate à pirataria em Salvador à tarefa de “enxugar gelo”. Entre outras coisas, o coordenador do grupo da Polícia Civil responsável pela repressão aos produtos falsificados admitiu certo constrangimento da polícia diante de um número cada vez maior de falsificações e fez críticas ao Código Penal. Pessimista diante do modelo atual de repressão a pirataria, ele comparou o crime ao tráfico de drogas e considerou que somente punições mais rigorosas, inclusive aos ambulantes, seriam capazes de banir o problema. Em recordação a uma operação feita em conjunto com outros órgãos, no ano passado, Tannus resumiu o que, para ele, tem sido o combate à pirataria atualmente: “Apreendemos mais de 100 mil CDs e DVDs piratas, e, no outro dia, era como se não houvesse acontecido nada. É como enxugar gelo”, declarou. Em entrevista à Tribuna da Bahia, Tannus falou sem receios quanto a sua visão de um crime que tem se espalhado com rapidez pelas ruas da capital baiana.

SPAM DO BEM


Dia 2/11 teremos a última etapa do mundial de Fórmula 1, o GP Brasil. E o maldito Hamilton já está com 7 pontos de vantagem sobre o Massa. Ou seja, basta um quinto lugar minguado pras esperanças brazucas irem pro espaço.
Mas e o Rubinho?Sem chances na competição e fortes indícios de que deve largar a Fórmula 1 ano que vem, Rubinho pode ser nossa grande arma secreta no domingo.
Como?Mole. Basta dar uma porrada bem dada, daquelas que o Hamilton não vai saber nem de onde veio, para tirar o líder da prova e se tornar herói nacional.
Por isso o Buzz lança a campanha:

MARTA ESQUECEU O COREGA

Madson marca um golaço e salva o Vasco diante do Atlético-PR


O Atlético-PR jogou uma ducha de água fria nos mais de 22 mil torcedores que compareceram a São Januário nesta quinta-feira. Mas poderia ser ainda pior. Após estar perdendo por 2 a 1, o time da Colina conseguiu a igualdade com um golaço de Madson no finziinho. Até então, o Furacão vencia e quase ampliou o marcador algumas vezes. O resultado mantém os dois times em situação delicada na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro. O Vasco tem 31 pontos e está na 19ª posição, e o Atlético-PR, 32, em 18º. Na próxima rodada, o time da Colina vai enfrentar o Fluminense, no Maracanã. O Furacão pega o Sport, na Arena da Baixada. Os dois jogos vão ser disputados no domingo. Bobeada da zaga carioca deixa o placar igualEmpurrado por sua torcida, o Vasco tomou a iniciativa do jogo, buscando tocar a bola para chegar ao gol de Galatto. Porém, o AtléticoPR foi quem teve as primeiras chances do jogo. Na primeira, aos 13, após um cruzamento na área, Pedro Oldoni quase marcou de cabeça. Um minuto depois, Netinho arriscou de fora da área e o goleiro Rafael defendeu com tranqüilidade. O Vasco deu o seu primeiro chute a gol aos 17. Madson passou por um adversário pelo lado direito, entrou na área e chutou à esquerda de Galatto. No lance seguinte, Pedro Oldoni quase marcou para o Furacão. Aos 20 minutos, o atacante aproveitou cruzamento e tocou para o gol cruzmaltino. Rafael fez uma linda defesa, salvando o time da Colina. A equipe carioca não se encontrava em campo e errava muitos passes, dando a chance do Furacão ter maior posse de bola. Com Leandro Bomfim pouco inspirado, o time sentia dificuldades em criar lances de perigo. Em um lampejo, Madson cruzou para Edmundo, que desviou de Galatto com o bico da chuteira. Por pouco, o Animal não marcar o primeiro. A partir do lance de Edmundo, o Vasco e a torcida acordaram em São Januário. O Animal fez um lindo lançamento para Mateus já dentro da área. O volante olhou para o lado esquerdo e cruzou para Valmir, que tocou para marcar o primeiro do time da Colina. Festa na arquibancada. O Atlético-PR voltou a assustar o Vasco em uma cobrança de falta de Netinho. Aos 36, o ala cobrou falta da direita e Rafael defendeu no susto. O lance seguintes, aos 38, Edmundo deu ótimo passe para Alex Teixeira. O meia driblou um adversário e ficou de frente para Galatto. O chute saiu prensado e os cariocas não conseguiram ampliar o marcador. Em uma jogada bisonha de Jorge Luiz, o Atlético-PR empatou a partida. Mateus recuou de cabeça e o zagueiro ficou protegendo a bola, pensando que o lance era dos cariocas. Em cobrança de escanteio, após bate-rebate na área cruzmaltina, Júlio Santos aproveitou a sobra e empatou o jogo, aos 43. Pedro Oldoni vira o jogo; Madson empata com um golaço Reclamando de dores na parte posterior da coxa esquerda, Edmundo nem voltou para o segundo tempo. Na volta do vestiário, sem o Animal, Renato Gaúcho optou pela entrada de Alan Kardec. Além disso, o treinador sacou o lateral-esquerdo Valmir e apostou na entrada de Rodrigo Antônio. A partida seguiu nervosa, principalmente pela posição das duas equipes na tabela de classificação. Aos seis, Pedro Oldoni bateu prensado e a bola passou à direita de Rafael. Quatro minutos depois, Madson arriscou, Galatto fez uma bela defesa e a bola sobrou para Alex Teixeira. O meia chutou por cima do gol. Os cariocas seguiram pressionando e Mateus quase marcou após um belo chute de fora da área, aos 12. Em outra bobeada da defesa, desta vez do volante Jonílson, o Atlético-PR virou o jogo. Aos 16, Pedro Oldoni ganhou na corrida, entrou na área e chutou fraco. O goleiro Rafael aceitou: 2 a 1 Furacão. Renato Gaúcho optou por colocar o time ainda mais para frente. O treinador sacou o volante Mateus e colocou o atacante chileno Maurício Pinilla. Mal arrumado dentro de campo, o Vasco atacava o Furacão de forma desordenada. O lateral-direito Baiano era o único que ainda tentava alguma jogada diferente. Aos 22, ele arriscou de fora da área e o goleiro Galatto fez um milagre em São Januário. O Atlético-PR teve a chance de matar o jogo, mas a sorte estava ao lado do Vasco. Em dois lances consecutivos, aos 27, a bola só não entrou por falta de capricho dos atacantes do Furacão. O time da Colina assustava em jogadas de bola parada. Aos 31, Madson cobrou falta de fora área e Galatto fez outra bela defesa. No minuto seguinte, Jorge Luiz quase marcou de cabeça em cobrança de escanteio. Aos 40, Pedro Oldoni invadiu a área sozinho e Rafael fez uma grande defesa, salvando o Vasco novamente. Dois minutos, o alívio para os torcedores que lotaram Sâo Januário. Madson arriscou de fora da área e encobriu o goleiro Galatto, incendiando a Colina. Mesmo empurrado pelos torcedores, o time não conseguiu virar o jogo e frustrou os cruzmaltinos.

Zico dá força a Maradona

Rivais em campo nos anos 80 quando jogavam Brasil x Argentina, Flamengo x Boca Juniors ou Napoli x Udinese, Zico e Maradona sempre tiveram ótimo relacionamento fora de campo. E agora que o ídolo argentino assumirá a seleção de seu país o atual técnico do Bunyodkor, do Uzbequistão, só tem palavras de carinho e incentivo para o ex-rival.

- Acho muito importante uma personalidade como ele no país assumir uma posição como essa. Gosto muito dele, foi o maior da minha geração. Eu me considero seu amigo e vou torcer muito pelo seu sucesso - disse Zico ao jornal "Lance", por e-mail, do Uzbequistão.

GESTÃO DA SAÚDE DE ITABUNA PASSA PARA O ESTADO

Ontem, 30, a Comissão Intergestora Tripartite (CIT) ratificou a decisão de descredenciar Itabuna do sistema de gestão plena da saúde.
A administração dos serviços de alta e média complexidade retornará para as mãos do governo do estado. A prefeitura será responsável apenas pela rede básica (postos de saúde e programas de endemias). A decisão foi tomada em reunião da CIT, em São Paulo (SP).
A CIT é uma comissão que reúne representantes das secretarias municipais de todo o país, dos secretários estaduais e do Ministério da Saúde. Foram determinantes para o descredenciamento as denúncias comprovadas de irregularidades na aplicação de recursos e o caos no atendimento da saúde pública de Itabuna.
Outro agravante foi a confissão de que houve roubo de verba pública, feita pelo secretário municipal de saúde, Jesuíno Oliveira, durante audiência da comissão estadual de gestores, a CIB, em setembro.
Os problemas no sistema público em Itabuna se agravaram em 2008, apesar das verbas repassadas terem aumentado 33% este ano.

A ELEIÇÃO EM ITAPÉ


(Allah Góes) – Interessante a briga que atualmente se observa na vizinha Itapé, onde, por conta do não julgamento, em definitivo, da Ação de Impugnação de Registro de candidatura intentado contra o atual prefeito, mesmo com resultado publicado no site do TSE, não se pode afirmar categoricamente quem é o prefeito eleito daquele município.E isto acorre por conta do que nos diz a legislação eleitoral, que no Art. 43 da Lei 9.504/97, nos diz: "O candidato que tiver seu registro indeferido poderá recorrer da decisão por sua conta e risco e, enquanto estiver sub judice, prosseguir em sua campanha e ter seu nome mantido na urna eletrônica, ficando a validade de seus votos condicionada ao deferimento de seu registro por instância superior."Assim, vê-se que é perfeitamente legal o fato do candidato Pedrão ter disputado as eleições, vez que há "efeito suspensivo ao seu processo de registro", que perdura até o seu deferimento ou indeferimento, em instância definitiva e irrecorrível.Logo, em sendo permitida a participação deste na disputa (que também é referendada pela Resolução 22.717/08 do TSE), não se pode falar em irregularidade da sua candidatura que, por conta da pendência judicial, traz como única conseqüência o fato de que a validação dos votos que lhe foram atribuídos ficam condicionados ao provimento do recurso.Mas aí você pode questionar: "mas os votos que lhe foram outorgados são considerados nulos ou serão considerados válidos?". A resposta encontra-se no Art. 175 do Código Eleitoral, que em seu § 3º estabelece que: são nulos os votos dados aos candidatos não registrados ou declarados inelegíveis anteriormente ao pleito.Assim, por conta do disposto na legislação Pátria, bem como por conta de recentes decisões do TSE, pôde Pedrão ter seu nome incluído na Urna Eletrônica, sendo, provisoriamente, tidos como nulos os votos que lhe foram atribuídos: "O candidato que tiver seu registro indeferido antes da eleição - sem, no entanto, haver trânsito em julgado da decisão -, mas em data posterior à geração das tabelas para carga das urnas, terá seu nome incluído na urna eletrônica.Os votos dados a ele serão tidos como nulos, a teor do § 3º do art. 175 do Código Eleitoral.[...]". (MS nº 3.525/PA, DJ de 8.8.2007, Rel. Min. Carlos Ayres Britto e RESPE 27.992-SP, DJ 05.08.2008, Rel. Min. Marcelo Henriques Ribeiro de Oliveira).Aí você ainda questiona: "Mas, em sendo assim, ante o indeferimento do recurso do processo de Pedrão no TSE, e em sendo os votos que lhe foram atribuídos considerados nulos (aí sim em definitivo), não deveria ser declarado vencedor do Pleito o candidato Humberto Matos?".A resposta é não. Isto por conta de que, na eleição de Itapé, votaram 7.237 eleitores, sendo considerados como válidos apenas 2.214 votos, que são menos que os 50% de votos necessários para a validação daquele pleito, e em assim sendo, conforme também entende o nosso TSE, não se dará posse ao que ficou em segundo lugar: "Com feito, se anulados foram mais da metade dos votos, não se dará posse aos que ficaram colocados em segundo lugar na eleição." (AC-2786-MG , DJ - Diário da Justiça, Data 10/9/2008, Página 29, Rel. Min. Marcelo Henriques Ribeiro de Oliveira).A única conseqüência legítima e legal da cassação do registro do candidato vitorioso (e que obteve mais de 50% do total dos votos) é uma: a realização de novas eleições, na forma do art. 224 do Código Eleitoral, como reconhece a jurisprudência do STF e do TSE, não havendo, portanto, possibilidade de diplomação e posse do candidato derrotado, sob qualquer ângulo de análise.Assim, mesmo que se venha a enviar ofícios, como se prefeito eleito fosse, e que se diga que "Pedrão assumiu o risco e, portanto, perdeu a eleição", mesmo assim, ante a premissa de que o que deve prevalecer é a vontade soberana da maioria do povo, que, no caso de Itapé, escolheu outro caminho, que não o contrario a Pedro Jackson, haverá outra eleição. Mas isto só ocorrerá se o recurso intentado pelo atual prefeito não for provido, pois foi este quem, de fato, teve mais votos na eleição.
(*) Allah Góes é advogado municipalista, especialista em direito eleitoral pela Fabac/Amab e mestrando em ciências jurídico-políticas pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra-PT.

Justiça de Alagoas intima pai de Eloá a se apresentar em 15 dias


O ex-cabo da Polícia Militar de Alagoas Everaldo Pereira dos Santos, pai da adolescente Eloá Pimentel, foi intimado pela Justiça do estado a se apresentar em um prazo de 15 dias. Caso não se apresente, ele será levado a julgamento à revelia (mesmo sem a presença do réu) pelo assassinato do delegado Ricardo Lessa, irmão do ex-governador de Alagoas Ronaldo Lessa (PDT), e do motorista Antenor Carlota da Silva. Os dois foram mortos a tiros em outubro de 1991, em Maceió, e o pai da adolescente é acusado de cometer o crime.O edital de intimação foi publicado nesta quinta-feira (30) no Diário Oficial de Alagoas. Segundo o juiz titular da 9ª Vara Criminal de Maceió, Geraldo Amorim, caso o pai de Eloá não se apresente, “ele deverá ser levado a júri ainda neste ano ou, no mais tardar, no primeiro semestre de 2009”. O documento intima o também ex-cabo da PM Cícero Felizardo dos Santos, o ex-sargento da PM José Carlos de Oliveira, os policiais militares Aderildo Mariz Ferreira, Edgar Romero de Morais Barros e Valdomiro dos Santos Barros, além do policial civil Valmir dos Santos.

SAAE DE IBICARAI SEM INVESTIMENTOS A MAIS DE 4 ANOS AMEAÇA FALTAR AGUA


Pluripartidarismo e corrupção

* Joaci Góes é empresário e escritor. joacigoes@uol.com.br
O modelo pluripartidário vigorante no Brasil tem sido fator coadjuvante da crescente corrupção que vem assinalando a prática política nacional. Em flagrante violação dos pressupostos éticos e programáticos que estão na base doutrinária de sustentação dos partidos políticos, como veículos de canalização das diferentes correntes de pensamento existentes nas sociedades democráticas, os partidos no Brasil, com raras exceções, em quase nada diferem entre si, substantivamente, no conteúdo, e na prática dos que os representam no processo eleitoral. As notas de acentuada distinção correm mais por conta da opção de conduta dos diferentes atores, individualmente considerados, do que pela ação derivada de um compromisso partidário. Uma pesquisa junto aos eleitores, para conhecer os partidos a que pertencem os candidatos de sua escolha, revelará elevado percentual de desconhecimento que subiria a praticamente cem por cento se a indagação for para conhecer o que dizem os estatutos dos partidos a que eles pertencem relativamente a temas cruciais para a vida das pessoas, como educação, saúde, segurança, transporte, lazer, etc.. O resultado prático mais visível dessa permissiva legislação partidária é a multiplicação do número de partidos políticos criados para atender aos apetites de vorazes e despreparados caciques de todos os tamanhos, em afrontosa oposição aos interesses dos cidadãos. Mais aberrante ainda do que a existência de vinte e cinco partidos com assento no Congresso Nacional é a Câmara Municipal de Salvador para o próximo quatriênio estar representada por dezoito partidos políticos para os seus quarenta e um membros, o que dá a média de pouco mais de dois vereadores para cada sigla partidária. Trata-se, convenhamos, de um verdadeiro escândalo institucional. Como resultado disso, não é difícil visualizarmos partidos com apenas um vereador pleitear posições de relevo na administração da cidade, como condição para seu apoio às propostas emanadas do executivo. Isso seria absolutamente normal se essa participação tivesse como motivação o propósito de dar marcante contribuição pública e não, apenas, a solerte prática que vem ganhando entre nós foros de despudorada normalidade de usar os cargos para atendimento de interesses meramente eleitoreiros quando não para a realização de negócios escusos, como atestam as inúmeras ações de peculato que correm morosamente no judiciário à espera de uma tramitação em julgado que raramente ocorre. A sociedade soteropolitana espera que o prefeito João Henrique não repita na próxima administração os erros que cometeu nesta que finda, ao permitir o comprometimento da eficiência da máquina administrativa com a tumultuária substituição de auxiliares do primeiro time em número sem precedentes, como mecanismo de acomodação da colcha de retalhos partidária que lhe dava sustentação parlamentar. Sem a reforma política que, dentre outras providências, estabeleça cláusulas de barreira que ponham limites a essa irresponsável farra partidária, não será possível impedir que os partidos se transformem em abrigos de aventureiros e bandidos como já vem ocorrendo. Basta ver o elevado percentual de congressistas, deputados e senadores, respondendo por graves crimes, sobretudo os cometidos contra o Erário. Uma das mais graves conseqüências da ausência de critérios respeitáveis para a criação de partidos políticos no Brasil de hoje tem sido o declínio do prestígio dos políticos militantes e a crescente recusa dos nossos melhores nomes em ingressar nas fileiras partidárias. Urge reverter este panorama. Até porque não haverá democracia digna desse nome enquanto não contarmos com partidos fortes e verdadeiramente representativos da diversidade de pensamento de que se compõe nossa sociedade. Não é possível que continuemos a permitir que um partido novo se forme a partir de um estatuto encomendado a um rábula qualquer, com a mera observação de que preencha as burocráticas exigências legais.

O POVO PAGA O PULA PULA

O sempre inspiradíssimo Agulhão protesta em versos contra o que considera mais uma "conta descabida" que o itabunense vai pagar a partir de janeiro. Segundo o poeta, o prefeito Azevedo dará saltos de alegria com o super-salário de R$ 18 mil, mas o povo acabará dando mesmo é "cambalhotas de raiva".
O salário de prefeitoFernando Gomes calcula:Azevedo, satisfeito,pula, pula, pula, pula!...

CALOTE ELEITORAL


Itabuna assiste a uma chuva de cheques voadores emitidos por candidatos a vereador e a prefeito. Acreditando em papai noel, teve credor que aceitou o que, na linguagem das bolsas, poderia ser chamado de papéis podres como garantia de pagamento por serviços ou produtos.
Tá uma quebradeira geral, passados quase 30 dias das eleições.

HEMORRÁGICA

A situação da dengue em Itabuna inspira cuidados seriíssimos, principalmente agora que a cidade atravessa um período de crise no sistema de abastecimento de água. Teme-se que muita gente, com medo de ficar com o tanque seco, comece a armazenar água de maneira incorreta, acabando por criar focos de reprodução do mosquito Aedes aegypti.
Quem duvida de que a dengue esteja bem presente na cidade deve se dar ao trabalho de investigar. Apenas para citar um exemplo: na última segunda-feira, 27, uma criança foi internada no antigo Ipepi com suspeita de pneumonia. Após alguns exames, apresentou-se o diagnóstico clínico de dengue hemorrágica.

Policiais civis ameaçam parar em sete Estados

Quarenta e cinco dias depois de iniciada a greve dos policiais civis em São Paulo, a onda de reivindicações começa a atingir outros Estados. Sindicatos de policiais civis de Rio Grande do Sul, Rio, Bahia, Amazonas, Acre, Paraná e Alagoas já ameaçam iniciar movimentos grevistas, caso as demandas da categoria não sejam atendidas.O Rio Grande do Sul é o Estado onde as possibilidades de greve são maiores. Entre os dias 4 e 6, os policiais civis vão parar por três dias. Além disso, a categoria votou em assembléia, na semana passada, um ?indicativo de greve geral?. ?O governo analisa desde janeiro um projeto para regulamentar a aposentadoria especial dos policiais civis e até agora não fomos chamados para conversar. Caso o governo não inicie negociação, a tendência é partir para a greve?, diz Emerson Aires, vice-presidente do Sindicato dos Servidores da Polícia Civil do Rio Grande do Sul. No Rio, a categoria reivindica reajustes salariais e a reestruturação da carreira.Nas duas próximas semanas, haverá assembléias na Bahia, no Paraná e no Acre. No Amazonas, uma manifestação de policiais civis foi convocada para o dia 14. Em Alagoas, onde a categoria ficou em greve entre março e agosto, os policiais aguardam a retomada das negociações com o governo para a regulamentação da aposentadoria especial. Caso isso não ocorra, uma assembléia será convocada no início do próximo ano. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Dado fala sobre a briga com Luana Piovani para a revista QUEM


Na revista QUEM que chega às bancas nesta quarta-feira (29), Dado Dolabella conta sua versão da briga que culminou no término do noivado com Luana Piovani. “Discussões entre casais são a coisa mais normal que existe. Eu estava nervoso e ela também. Nós tínhamos um projeto de vida juntos”, disse ele. O ator também falou sobre a agressão à camareira Esmeralda de Souza, de 62 anos, que teria tentado apartar a discussão do casal. “A gente (ele e Luana) estava discutindo, aquela senhora apareceu no meio, no momento em que eu queria conversar a sós com minha mulher. Apenas a afastei. Se errei, estou aqui para tratar do assunto com a maior clareza e serenidade possível.” Quer saber mais sobre Luana Piovani? Clique aqui
Luana, por sua vez, não tratou o assunto com tanta simplicidade. Na última segunda-feira (27), ela postou em seu blog uma mensagem sobre o fim de seu relacionamento: “Queridos todos, escrevo aqui para dizer que me livrei duma roubada... Ia me casar com alguém que não conhecia... Deus, como sempre, me protegeu. Então é isso, fica aqui meu suspiro de alívio e minha profunda tristeza em ver minha amada camareira, Esme, de braços imobilizados...”. Abaixo da mensagem, Luana transcreveu o “Soneto de Separação”, de Vinicius de Moraes.
O FIM DO ROMANCE

Esmeralda de Souza e o boletim de ocorrênciaEram 3h30 da manhã da quarta-feira passada quando o casal de atores, que comemorava o sucesso da estréia da peça “Pássaro da Noite” junto com a equipe técnica do espetáculo, na boate 00, na Gávea, começou uma discussão. Enquanto Dado queria ir embora, Luana preferia ficar. “Os dois começaram a bater boca e ele, enfurecido, virou um tapa na cara dela”, conta um barman da casa. “A força do tapa foi tão grande que a Luana quase apagou.” Testemunhas contam que, ainda atordoada com a agressão, Luana saiu da boate. Dado, arrependido, foi atrás dela para tentar fazer as pazes. Ele chegou a segurá-la pelo braço, mas foi repreendido pelos amigos e cercado por seguranças da casa noturna. Vendo a cena, a camareira Esmeralda de Souza, que trabalha no Teatro do Leblon (onde a peça de Luana está sendo encenada), aproximou-se para oferecer ajuda. Foi quando Dado, visivelmente alterado, lhe empurrou. “Acho que ele me empurrou quase uns 3 metros, tamanha era sua força. Caí no chão e me machuquei”, contou Esmeralda a QUEM na sexta-feira (24). “Quando acordei no dia seguinte não conseguia mexer as mãos e sentia dores fortíssimas nos braços. Foi uma covardia. Eu só peso 42 quilos e ele, 90! Estou com muita dor”, disse. A camareira registrou a ocorrência na 15a Delegacia Legal da Gávea, na tarde de sexta-feira e, por recomendação da polícia, fez os exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), no sábado. “Aqui tudo acaba em pizza. A família dele é rica, vai pagar e não vai acontecer nada com ele”, afirmou Esmeralda.
ATÉ CINCO ANOS DE PRISÃO
O delegado-assistente Gustavo Valentini, da 15a Delegacia Legal da Gávea, contou que, caso Dado seja condenado, sua pena pode variar de acordo com a gravidade da agressão. “Se a vítima ficar 30 dias sem trabalhar, a lesão corporal passa de leve a grave. Nesse caso, a pena passaria, por exemplo, de um trabalho comunitário a prisão, por um período de um a cinco anos." Luana Piovani, que será intimada como testemunha, e Dado Dolabella, autor da lesão, devem ser chamados pela polícia ainda nesta semana. “Veremos uma data para o depoimento de cada um”, disse o delegado.

E, como somos preocupados com a seu crescimento cultural, indicamos este livro:


Luz para Todos não cumpre a meta de 2 milhões de famílias

governo Luiz Inácio Lula da Silva não conseguirá cumprir a meta de 2 milhões de famílias atendidas pelo Luz para Todos até o final do ano, informa nesta quinta-feira reportagem de Eduardo Scolese, publicada pela Folha (a íntegra está disponível apenas para assinantes do jornal e do UOL).
Segundo a reportagem, o atendimento de ao menos 200 mil dessas famílias será empurrado para o primeiro quadrimestre de 2009, disse o Ministério de Minas e Energia.
Lançado em 2003 pela então ministra de Minas e Energia Dilma Rousseff, hoje na Casa Civil e principal presidenciável petista para 2010, o programa tinha como meta inicial 2 milhões de ligações até 2008.
Esse número, baseado no Censo 2000, foi ampliado no ano passado, saltando para quase 3,2 milhões de ligações. A meta inicial permaneceu para 2008, e o restante 1,17 milhão ficou para o final de 2010.
A Folha informa que, para atingir a meta de 2 milhões neste ano de eleições, a idéia do governo era atender ao menos 585 mil famílias. O plano fracassou. Até a semana passada, apenas 308,2 mil haviam deixado a exclusão elétrica, totalizando a marca de 1,74 milhão desde a sua implantação.
Outro lado
Diretor do programa Luz para Todos, Hélio Morito disse que, apesar de não ter sido atingida, a meta de atender 2 milhões de famílias até o final deste ano foi "extremamente ousada".
"Para nós que estávamos construindo o programa na época [em 2003], a estimativa era que o número de 2 milhões [de famílias] seria factível até 2010, e não 2008. Então, foi uma meta [até 2008] extremamente ousada", afirmou Morito.
Segundo ele, 2008 foi um ano complicado para o programa por conta da demanda alta diante de alguns entraves, como a falta de mão-de-obra especializada e a desmobilização de empresas do setor.
"A indústria que antigamente entregava os equipamentos e materiais com 30 dias hoje demora 90 dias, mais ou menos, para entregar esse mesmo material, porque a demanda cresceu demais", disse Morito. "Eu não sei se existe interesse da indústria nacional de ampliar a sua indústria para uma coisa que tem tempo para acabar."

PIB dos Estados Unidos encolhe 0,3% no terceiro trimestre e sinaliza recessão

O PIB (Produto Interno Bruto) dos Estados Unidos encolheu 0,3% no terceiro trimestre, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo Departamento de Comércio --no segundo trimestre, o PIB havia subido 2,8%. Trata-se da primeira retração no nível de atividade econômica do país desde a queda de 0,2% no quarto trimestre de 2007, e o pior resultado desde a baixa de 1,4% no terceiro trimestre de 2001, quando os EUA sofreram uma aguda crise.
O número de hoje confirma o que mercados e governos ao redor do mundo mais temiam --mas já esperavam: que a maior economia do planeta caminha para uma recessão, ou pelo menos uma forte desaceleração. Tecnicamente, um país entra em recessão após dois trimestres de PIB negativo.
O governo destacou em um comunicado divulgado logo após o anúncio que o valor é uma estimativa baseada em dados ainda incompletos e sujeitos a revisão. Os dados revisados, com base em informações mais completas, devem ser anunciado no dia 25 de novembro.
A maioria dos componentes centrais do PIB contribuiu negativamente para o resultado no trimestre passado. Houve redução nos gastos dos consumidores com bens não-duráveis, um crescimento menor das importações, uma retração maior nos gastos com bens duráveis e uma desaceleração nas exportações. Os gastos dos consumidores respondem por dois terços da economia dos EUA.
A renda ajustada pela inflação, e depois do pagamento de impostos, caiu 8,7% entre julho e setembro, a maior diminuição trimestral desde 1947, acrescentou o relatório.
O governo destaca que as vendas finais de computadores contribuíram com 0,06 ponto percentual no resultado, menos da metade da contribuição registrada no PIB do segundo trimestre, de 0,17 p.p.. Já a produção de veículos, por sua vez, contribuiu com 0,09 p.p., depois de subtrair 1,01 p.p. no dado do trimestre anterior

Para Ramires, "quietinho" Cruzeiro está vivo na briga por título

A vitória sobre o Grêmio, por 3 a 0, na noite desta quarta-feira, no Mineirão, levou o Cruzeiro a 58 pontos, apenas um a menos que Grêmio e São Paulo, que têm 59, colocando-o definitivamente na briga pelo título brasileiro. "Quietinho, a gente vem trabalhando para conquistar nossos objetivos", comentou o volante Ramires.
Pedro Vilela/AE
Ramires diz que Cruzeiro pode surpreender times considerados favoritos ao título.
LEIA O RELATO CRUZEIRO X GRÊMIO
LEIA MAIS NOTÍCIAS DO CRUZEIROSegundo ele, apesar da boa campanha do Cruzeiro, time que tem o maior número de vitórias no Campeonato Brasileiro - 18 contra 17 de Grêmio e Palmeiras -, pouco se fala na equipe mineira como candidata a ser campeã nacional. "Fala-se pouco do Cruzeiro. Falam que o Flamengo vai ser campeão, que o São Paulo vai ser campeão, mas a gente vem trabalhando", afirmou o volante celeste.Numa demonstração de que o discurso do time está bem afiado, da mesma forma que o entrosamento demonstrado no jogo contra o Grêmio, Ramires observou que a partida diante do líder foi só uma batalha a mais. "Faltam seis finais, ganhamos essa e precisamos continuar com grande determinação para conseguir o título", disse.Para o atacante Thiago Ribeiro, a vitória diante da equipe gaúcha foi decisiva para que o Cruzeiro continue na briga pelo título. "A gente sabia que esse era o único resultado que nos interessava. A equipe veio para campo com esse pensamento. Estamos mais vivos do que nunca", salientou jogador cruzeirense.Ele destacou o fato de o Cruzeiro ter vencido e jogado bem. "Às vezes não é possível fazer as duas coisas, hoje, mesclamos vitória com bom toque de bola. Houve uma boa atuação coletivamente falando e o torcedor vai embora feliz com a atuação", observou.Opinião parecida com o atacante cruzeirense teve o zagueiro Thiago Martinelli, que entrou no segundo tempo de partida. "Nós fomos merecedores do resultado. Jogamos bem, fomos o tempo todo em busca do resultado, mostramos muita raça, vontade", disse.Para Thiago Martinelli, o mérito do Cruzeiro foi não ter se abatido com a derrota para o Atlético-PR, sábado passado, por 1 a 0, numa rodada em que quase todos os concorrentes diretos venceram."Esperamos manter esse ritmo até o final, tenho certeza que equipes que estão brigando pelo título vão acabar escorregando e vamos conquistar esse título. Para isso, temos de continuar da mesma maneira, com garra e companheirismo dentro de campo", disse. O Cruzeiro enfrenta o Goiás, no próximo domingo, no Serra Dourada.

Só Lula evitaria o rompimento entre Jaques Wagner e o ministro Geddel

Pelo nível a que chegaram as relações entre o governador Jaques Wagner e o ministro Geddel Vieira Lima, somente uma conversa sob a mediação do presidente Lula poderia solucionar a questão. O presidente tem interesse na manutenção da aliança PT-PMDB na Bahia, porque um desentendimento por aqui poderia contaminar o ambiente nacional, onde prospera uma aproximação entre peemedebistas e o governador tucano José Serra, de São Paulo, com vistas à disputa presidencial de 2010. Geddel, ministro de Lula e ocupante de boas sesmarias no governo baiano, também quer a paz, mas o governador deu praticamente um ultimato ao afirmar que a senha para o rompimento seria a participação do DEM no segundo governo João Henrique. Ora, o prefeito reeleito de Salvador passou para o segundo turno em condições semelhantes ao seu adversário petista, Walter Pinheiro. Conseguiu, por competência ou afinidade, o apoio do candidato derrotado, ACM Neto, que aparentemente lhe transferiu todos os votos que recebeu no primeiro turno. Mesmo acreditando-se que tal aliança tenha sido feita exclusivamente com base em “projetos para o bem da cidade”, nada impede que João Henrique exerça sua autonomia na formação da equipe. O governador não pode, nas circunstâncias atuais, fazer tal exigência, pois seu candidato foi derrotado na eleição. A primeira regra da política é a de que derrotado não fala. Wagner, respaldado nos dois anos de palácio que lhe restam, resolveu brigar, mas sabe no íntimo que, se Pinheiro tivesse vencido, certamente não chamaria peemedebistas para auxiliá-lo. O problema da postura de Wagner é que ele depende do PMDB na Assembléia Legislativa. O simples rompimento permitiria aritmeticamente que seu governo passasse a minoria na Casa, com todos os dissabores conseqüentes. Enganam-se os articuladores oficiais se pensam que, num quadro desses, levarão com facilidade os “independentes” PP e PR para suas hostes, ainda que em ambos haja deputados simpáticos ao governo. Muito mais fácil seria os dois partidos alinharem-se ao PMDB, pois têm com este mais identidade e ganhariam na Prefeitura de Salvador, em vez de dois, quatro anos de poder. Na hipótese de permanecer a precária aliança, certamente não será nas bases atuais, em que o governador manda e os outros obedecem. A disputa iminente é pela presidência da Assembléia Legislativa, e não há dúvida de que, mesmo continuando “amigos” de Wagner, Geddel e seus acólitos mergulhariam de cabeça na costura com a oposição para chegarem ao desejado cargo em fevereiro de 2009. Com ele, os passos do governo seriam monitorados, complicando sua situação no Legislativo, onde já será obrigado a negociar agora, nos próximos dias, para a formação e o controle das comissões técnicas permanentes. Para a Assembléia funcionar, é preciso que as comissões funcionem. Para que se instalem, é preciso que sejam eleitos seus presidentes e vices. Ocorre que, com a decisão judicial que vincula a composição desses vitais colegiados às bancadas eleitas em 2006, a correlação de forças indica o placar de quatro a quatro. Assim, o exercício de humildade do governo tem de começar imediatamente, do contrário há o risco até de não se votar o orçamento do próximo ano. (Por Luis Augusto Gomes)
O que se encontra em jogo é 2010
Nem mesmo a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à capital baiana, conseguiu acalmar os ânimos entre o governador Jaques Wagner (PT) e o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima (PMDB), que travaram uma nova e prometida batalha. Desta vez em prol da eleição que está por vir, que mais uma vez deve colocar não apenas o PT e PMDB frente a frente, como ocorreu na sucessão municipal, mas ambos, já que os dois não escondem o desejo de se candidatarem a governador da Bahia em 2010. Ontem, ao ser questionado sobre o novo título de “Rei da Bahia”, que seria uma comparação ao legado de Antonio Carlos Magalhães, Geddel além de repelir de forma enfática tais semelhanças disse que – “eu não tenho nada comparado ao estilo de ACM, na forma, na maneira de ver o mundo, a família, no jeito de tratar os amigos e fazer política. Sou transparente. Assumo os bônus e ônus da política. Não sou de perseguir ninguém, não tenho estilo coronelista, não sou oligarca. Tenho a noção de que a vida acaba e nada me envaidece – , o ministro aproveitou a oportunidade para mandar mais um recado para Wagner, como resposta à continuidade das críticas ao prefeito reeleito João Henrique, no sentido de atingi-lo. “Não recebo recados para evitar dar recados. Quando o governador quiser dizer algo a meu respeito, ele haverá de citar o meu nome”, disparou Geddel que já havia demonstrado bastante irritação quanto à antecipação do governador sobre a sua posição em 2010. Segundo Wagner, o ministro o teria prometido que disputaria o Senado na próxima eleição. “A mim ele não disse isso. E volto a repetir que tenho planos de estar no processo eleitoral em 2010, só não sei ainda em qual situação. Posso ser candidato a tudo”, retrucou. (Por Fernanda Chagas)

Prefeito e vereadores têm aumento de 30%

Depois de quase paralisar as atividades durante o período eleitoral, parece que a Câmara Municipal de Vereadores (CMS) voltou a funcionar com todo gás. Ontem à tarde os vereadores derrubaram o veto do prefeito João Henrique ao aumento do subsídio do prefeito, e conseqüentemente dos secretários e gestores de órgãos municipais e vereadores, feito pouco tempo antes do primeiro turno, que girava em torno dos 30%. A Casa também aprovou a criação do Reda da Saúde, do Parque Ambiental das Dunas, no Abaeté, e da Estação Ecológica das Ilhas do Frades. Como manda o regimento interno da Câmara, a votação foi secreta e o veto foi derrubado por 33 votos a 2. A partir de janeiro do ano que vem, os vereadores, que recebiam R$ 7.159,00, terão reajusta de quase 30% e passarão a embolsar mensalmente R$ 9.288,00, enquanto o prefeito, que recebia R$ 8.586, 00 terá a o salário de R$ 11.500,00 o que significa um reajuste de (33,9%). O salário dos secretários municipais também sofrerá reajuste e, a partir de 1º de janeiro, será igual ao dos vereadores. Na mesma sessão, os vereadores aprovaram a contratação de servidores da Saúde pelo Regime Especial de Direito Administrativo (Reda) - os dois projetos estavam sobrestando a ordem do dia. A contratação do Reda será por um prazo de 2 anos, prorrogável uma única vez e por igual período. Para a contratação, considerada de interesse público, ficou estabelecido o quantitativo máximo de 1.049 profissionais do PSF, tomando-se como referência o quantitativo atual de pessoal terceirizado necessário à continuidade das atividades funcionais de forma a garantir a qualidade e eficiência dos serviços públicos de saúde perfazendo um total de R$ 42.867.913,00 (quarenta e dois milhões, oitocentos e sessenta e sete mil, novecentos e treze reais). De acordo com o líder do governo na Casa, Sandoval Guimarães o projeto vai beneficiar a cidade e apenas os vereadores Virgilio Pacheco (PPS), Aladilce (PCdoB), Olívia Santana (PCdoB), Vânia Galvão (PT), Reginaldo Oliveira (PCdoB) e Zé Carlos Fernandes (PSDB) votaram contra. “Infelizmente esses vereadores continuam fazendo oposição à cidade, mas o que interessa é que o Reda foi aprovado e que a população de Salvador vai poder contar com uma saúde de qualidade”, comemorou Guimarães. Já o vereador Virgílio Pacheco, líder da oposição na Câmara, justificou sua posição afirmando que não é contra a contratação de profissionais para a área da saúde, mas sim, alguns pontos dos projetos precisam ser esclarecidos e ajustados, pois ou estão pouco precisos ou “equivocados e contraditórios”. (Por Carolina Parada)

Lula vai intervir em disputa pelo Senado

presidente Luiz Inácio Lula da Silva está disposto a intervir na disputa entre PT e PMDB pela presidência do Senado caso os dois partidos insistam em lançar candidatos próprios nas eleições que vão definir a Mesa Diretora da Casa. Em conversas com interlocutores, Lula sinalizou que pode dar a palavra final sobre o candidato governista para evitar que o impasse dentro da base aliada se torne mais acirrado. O presidente ainda não entrou nas negociações porque acompanha, a distância, as primeiras articulações do PMDB em torno da candidatura própria. Embora os peemedebistas não escondam a intenção de ficar com o comando do Senado porque o partido reúne a maior bancada na Casa, os senadores temem que a candidatura própria atrapalhe os planos do deputado Michel Temer (PMDB-SP) de se eleger presidente da Câmara. Deputados do PT fecharam acordo com o PMDB para a eleição de Temer uma vez que os peemedebistas, em 2006, apoiaram o nome do petista Arlindo Chinaglia (PT-SP) para a presidência da Câmara. Os petistas, porém, ameaçam romper o acordo caso o PMDB decida brigar pelo comando das duas Casas Legislativas. Em meio ao impasse, Lula disse a aliados que poderia apoiar o nome do senador José Sarney (PMDB-AP) para a presidência do Senado caso fosse consensual na Casa —inclusive dentro do PT. Sarney nega que esteja disposto a entrar na disputa, mas a interlocutores mostra vontade de ser candidato se o seu nome for unanimidade em todos os partidos —especialmente no PT. O senador deixou claro aos aliados que não quer enfrentar disputa com nenhum candidato. O seu ingresso na corrida pela presidência do Senado está diretamente ligado ao fato de ser o único candidato na disputa. A Folha Online apurou que o PT não está disposto a abrir mão do cargo porque não deseja ver o PMDB no comando da Câmara e do Senado. Os petistas lançaram em jantar na terça-feira o senador Tião Viana (PT-AC) como candidato do partido à sucessão de Garibaldi Alves (PMDB-RN) —que já deu início às conversas nos bastidores com parlamentares em busca de apoio. O racha interno no PT em decorrência da campanha em favor do prefeito eleito de Belo Horizonte (MG), Márcio Lacerda (PSB), não foi superado, o que ficou evidente ontem em Brasília. Lacerda e o atual prefeito da capital mineira, Fernando Pimentel (PT), conversaram ontem com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva por cerca de vinte minutos, mas sem as presenças de ministros mineiros nem do vice-presidente José Alencar (PRB). A campanha de Lacerda levou a uma divisão interna no PT. O grupo liderado por Pimentel defendeu a aliança com o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), em favor do prefeito eleito. Mas setores do PT, contrários à parceria, afirmavam que a decisão favoreceria o nome de Aécio na disputa presidencial em 2010. Na reunião realizada ontem, no Palácio do Planalto, Alencar foi até o gabinete de Lula, cumprimentou Pimentel e Lacerda, mas não ficou para a conversa. De acordo com um dos presentes, Alencar alegou que tinha de cumprir uma agenda pesada de compromissos. Já os ministros Luiz Dulci (Secretaria Geral), Patrus Ananias (Desenvolvimento Social) e Hélio Costa (Comunicação) não compareceram ao encontro. Também não enviaram mensagens nem telefonaram. Dulci e Patrus foram contrários à aliança do PT com o PSDB. Dulci foi um dos críticos mais duros à parceria. Costa rejeitou o acordo político e lançou de forma independente o nome do deputado Leonardo Quintão (PMDB) para concorrer com Lacerda. O desconforto dos ministros obrigou o presidente Lula a intervir no assunto e pedir que evitassem atritos externos.

DEPUTADOS PODEM SER ACOMPANHADOS POR EMAIL

Câmara dos Deputados lançou nesta terça-feira (28) um serviço que permite acompanhar a atuação dos parlamentares por e-mail. Chamado de “Acompanhe seu deputado”, o projeto possibilita que qualquer pessoa receba informações sobre como determinado deputado votou um projeto, discursos que fez, projetos apresentados, se trocou de partido e notícias dos veículos de imprensa da Casa. Um dos objetivos do serviço é facilitar o acompanhamento da atuação do parlamentar.Para se cadastrar, é preciso acessar o site da Câmara (www.camara.gov.br) e clicar em “Deputados” ou “Transparência”. No cadastro, é possível selecionar um deputado ou mais de um deputado e as informações que a pessoa deseja receber. O boletim será enviado a cada 15 dias.

PERSEGUIÇÃO EM SANTA CRUZ DA VITORIA


Em Santa Cruz da Vitória as pessoas que tem cargos de confianças na prefeitura estavam tão convictos que o atual prefeito Carlos André (PTN), seria reeleito, que já tinham feitos compromissos financeiros até o final de 2009, porém, Carlos não conseguiu ser reeleito, por conta disso essas pessoas estão desesperadas, e estão perseguindo todo mundo que votou no prefeito eleito, Jackson. O clima está pesado na cidade.
E para variar o prefeito Carlos André (PTN), tem dias que esteve na cidade, e como foi em toda a atual administração, quem manda na prefeitura são essas pessoas que estão liderando a perseguição.

DEPUTADO RESPONDE CRITICAS AO UM ASSESSOR DE VELOSO


O deputado federal Roberto Brito (PP), em contato com o Pimenta, disse que não vai entrar em polêmicas com a assessoria do deputado Raimundo Veloso (PMDB), que o chamou de "forasteiro" e "aproveitador" (confira aqui).
As críticas foram feitas em e-mail enviado por um assessor de Veloso para um jornalista ilheense, que questionava a ausência do peemedebista na audiência com o governador Jaques Wagner, para tratar da crise do aeroporto Jorge Amado.
"Não vou entrar em briga deste tipo (as críticas do assessor). Não quero criar polêmica, quero ajudar a resolver o problema". E acrescentou: "Não acredito que o amigo Veloso tenha o mesmo pensamento do seu assessor", respondeu Brito.
Sobre as queixas do assessor de que tanto ele como o deputado Heraldo Rocha (DEM) seriam aproveitadores, Brito lembra que tem mandato, representatividade e foi votado em 415 dos 417 municípios baianos, "inclusive aí na região de Itabuna e Ilhéus". Roberto Brito tem como principal base eleitoral o município de Jequié, onde foi prefeito por dois mandatos.
Brito frisa que foi vice-presidente da Amurc por duas gestões e fora convidado a participar da reunião em Ilhéus e da audiência com o governador, pelo atual presidente da Associação, Orlando Filho. Sobre a crise do aeroporto, ele diz que "Jaques Wagner e a bancada estão empenhados em resolver logo o problema".
O deputado pepista ainda lembra que o aeroporto não é uma questão só de Ilhéus, mas "que afeta mais de 50 municípios". Brito também disse que, ainda hoje, fará um pronunciamento na Câmara Federal, sobre os entraves criados para a economia regional com as restrições impostas ao aeroporto de Ilhéus pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).
Secretariado de Wagner
Ao Pimenta, o deputado também falou da possível participação do PP no governo estadual. "Esse foi sempre um desejo do governador. Fazemos uma aliança programática. A aliança não se baseia na oferta de cargos, participaremos programaticamente".
Roberto Brito diz que o PP já trabalha em nível federal em favor do governo estadual com a proposição de emendas para a Bahia. Questionado, ele não descartou o próprio nome para uma possível participação no governo baiano. ""Seria uma honra", pontuando que a definição cabe ao partido e ao governo.

CARLÃO E O CAPITÃO

O empresário Carlos Leahy, presidente da CDL de Itabuna, está cotadíssimo para assumir uma secretaria no governo do Capitão Azevedo, mas, a quem lhe pergunta sobre a possibilidade, Carlão - como é chamado pelos amigos - nega terminantemente.
Ninguém sabe se é verdade, mentira ou se a coisa ainda está na base do "pode ser", mas neste sábado, dia 1º, o itabunense terá uma boa oportunidade para tirar suas dúvidas.
Carlos Leahy e o Capitão vão estar no programa Resenha da Cidade (Rádio Jornal, das 10h às 12h). Pelo menos no estúdio eles estarão juntos... Na política, só os dois sabem.

Primeiro título e início da mitificação de Senna completam 20 anos


Por pouco tudo não foi por água abaixo. Logo na largada do GP do Japão de F-1, no dia 30 de outubro de 1988, há exatos 20 anos, o pole position Ayrton Senna, que só precisava de mais uma vitória para ser campeão, restando duas provas para o final, viu seu carro morrer. O brasileiro fez sua McLaren "pegar no tranco" e chegou a cair para a 14ª posição.
Se a situação era difícil, a recuperação foi fantástica. O piloto do carro de número 12 foi subindo de posição volta a volta, ultrapassando os carros um após o outro. Contou também com a aparição de uma fraca chuva, suficiente para molhar a pista e fazer com que a vantagem de Alain Prost na liderança diminuísse. Na abertura da 27ª volta, o francês se atrapalhou com alguns retardatários. Senna deu o bote para chegar à ponta. E dali não saiu mais.
30.out.1988-Reprodução
Senna ultrapassa Prost na 27ª volta do GP do Japão, corrida em que conquistou o título de 88
Venceu a corrida e conquistou o primeiro de seus três títulos mundiais. Mais do que isso, Senna iniciou em 30 de outubro de 1988, com a sofrida vitória em Suzuka, a criação de uma verdadeira mitologia em torno de sua figura. Tornou-se ídolo no Brasil e fora do país. Referência para pilotos e fãs, dentro das pistas e fora delas. Um dos maiores esportistas da história.
Na volta final do GP do Japão, na curva antes da reta dos boxes, Senna ergueu os punhos e teve a certeza de que sua 14ª vitória --a mais importante de sua carreira até então-- estava consolidada. Com ela, veio o fim da pressão de superar o então bicampeão Prost, que o próprio brasileiro considerava o melhor piloto do mundo na ocasião.
"Quanto mais difícil, melhor, mas não achei que tinha que passar por este sofrimento todo. Só Deus sabia que seria tão duro. Mas agora que acabou acho que foi melhor assim. Guiei o que podia e o que não podia. Foi a corrida da minha vida", sintetizou o brasileiro após a prova.
Alívio
O título de Senna em 1988 não representou apenas o ponto final de sua longa espera pela taça --era sua quinta temporada na F-1, a primeira com um carro capaz de ser campeão.
30.out.1988-Reprodução
Ao lado de Alain Prost (esq.) e Thierry Boutsen (dir.), Ayrton Senna celebra a vitória no Japão e a conquista de seu 1º título mundial
Foi também o final de um ano tenso, no qual o piloto passou por brigas e discussões com adversários e até mesmo a imprensa do Brasil --que repercutiu fortemente a troca de acusações entre Senna e Nelson Piquet, no início de 88.
"Foi um momento de extravasar a raiva e tensão que vivi neste ano todo e em minha carreira nos últimos anos. Consegui preencher um vazio dentro de mim, aquela ânsia, o desejo da vitória", disse o piloto da McLaren, após a conquista inédita.
Sem o peso de ter que ganhar seu primeiro campeonato da F-1, Senna voltou a disputar o título nos três anos seguintes --perdendo em 1989 e ganhando em 1990 e 1991.
Nessa época, já era considerado um dos maiores esportistas da história brasileira, contando com uma torcida fanática, que celebrou o mito Senna até depois de sua trágica morte, no GP de San Marino de 1994.
"Eu fui, até hoje, duro demais comigo mesmo e com as pessoas que fazem parte do meu meio ambiente. Sacrifiquei muita coisa em mim e agora quero compensar daqui para a frente", prometeu Senna, depois de escrever o seu nome.

O QUERIDINHO ERA SERGIO CARNEIRO

Quando João Durval era governador da Bahia nos anos 80, o filho que ele tinha mais carinho e atenção especial era Sérgio Carneiro, Durval achava que Sérgio era o único que tinha capacidade para ter sucesso na carreira política, o outro filho, João Henrique, era o coadjuvante, pois João Durval nunca acreditou que João Henrique teria sucesso na política.Porém, o tempo mostrou que João Durval estava equivocado, hoje Sérgio Carneiro é mais um entre os mais de 500 Deputados Federais, e João Henrique foi reeleito prefeito da terceira maior cidade do Brasil, que é Salvador. Realmente o tempo é o senhor da razão.

FERNANADO GOMES NO PMDB

A partir de 2009 o PMDB de Itabuna terá um novo “mandatário”, estou falando do atual prefeito de Itabuna, Fernando Gomes (DEM), ele tem uma relação bastante estreita com o Ministro Geddel Lima (PMDB), e como Fernando pretende ser candidato a Deputado Estadual em 2010, o próprio Geddel já convidou várias vezes Fernando para filiar-se ao PMDB, isso não ocorreu ainda em função da fidelidade partidária.

Messi afirma que escolha de Maradona para técnico da Argentina não é problema

O atacante Messi, do Barcelona, afirma que a escolha de Maradona como técnico da Argentina não representa "nenhum problema" para ele e minimizou a importância das críticas que recebe pelo caráter "individualista" de seu jogo. - São coisas que são ditas no momento. Sei que Diego me aprecia e não guardo rancor dele - declarou Messi em entrevista que publica nesta quarta-feira o jornal italiano "La Gazzetta dello Sport", na qual acrescentou que o considera "um grande" e o admira "pelo que deu ao futebol argentino". Sobre o futuro da seleção argentina se mostrou otimista, já que se está sendo incorporada a geração que conquistou o Ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas e de Pequim. O jogador não rejeitou ser individualista, pois é o "instinto" de jogo que leva dentro, mas disse que é "um individualista que trabalha para a equipe

COELBA CORTA LUZ DA PREFEITURA

A Coelba suspendeu o fornecimento de energia elétrica para a prefeitura de Itabela, no extremo-sul baiano, por falta de pagamento. O prédio do centro administrativo está às escuras. O Mercado Municipal encontra-se há 15 dias sem energia elétrica, deixando prejuízos para donos de açougues e demais comerciantes, segundo o blog Boca Maldita.
O município é governador pelo prefeito Júnior Dapé (PR), que foi preso em abril deste ano na Operação Pasárgada, da Polícia Federal. Dapé não conseguiu a reeleição. Perdeu para Osvaldo Caribé, por oito votos.

Polícia espanhola desarticula rede de prostituição de brasileiras


Madri, 29 out (EFE).- A Polícia desarticulou uma organização que levava para a Espanha mulheres brasileiras, que eram obrigadas a se prostituir, em uma operação na qual foram detidos os 14 supostos integrantes da rede neste país.
MAIS NOTÍCIAS INTERNACIONAIS
Terremoto de 6,4 graus deixa ao menos 160 mortos no Paquistão
Fotos do terremoto no Paquistão
Eleições nos EUA: Obama tem 5 pontos de vantagem sobre McCain
UE e ONU gastarão US$ 18 mi na proteção de trabalhadores imigrantesAlém disso, a Polícia espanhola afirmou que uma mulher foi detida no Brasil.Os integrantes da organização são acusados de crimes contra os direitos dos cidadãos estrangeiros, contra os direitos dos trabalhadores, detenção ilegal, ameaças e posse ilícita de armas, além de delitos relativos à prostituição.A mulher que captava e enganava as brasileiras, companheira de um dos detidos na Espanha, foi presa em Natal (RN) pela Polícia Federal brasileira, acusada de crime de tráfico internacional de pessoas.As investigações começaram em maio, depois que duas das vítimas, a maioria das quais era de Natal, fugiram de uma casa de prostituição da província catalã de Gerona, onde eram obrigadas a se prostituir sob ameaças de morte.Enquanto isso, a Polícia Federal tinha iniciado uma investigação no Rio Grande do Norte por tráfico de pessoas para exploração sexual, cujas viagens eram custeadas pelos proprietários de dois clubes de Gerona.As mulheres achavam que viajariam à Espanha para trabalhar como garçonetes em hotéis, e os responsáveis da organização se encarregavam de oferecer as passagens de avião e o dinheiro necessário exigido na fronteira, que oscilava entre 500 euros e 1.000 euros, e que depois tinham que devolver à organização.Os acusados retinham os passaportes das mulheres, que eram ameaçadas de morte, e as impediam de sair das instalações do clube até terem saldado toda a dívida, que costumava ser em torno de 2.500 euros, e para isso precisavam de cerca de 6 meses.Além disso, o valor da dívida costumava aumentar devido aos "castigos" ou multas de 300 euros impostas se não acatassem as normas do clube.As jovens trabalhavam todos os dias do mês e deviam abonar 300 euros se quiserem um dia livre.Além disso, se terminassem a jornada antes das 8h, tinham que pagar 150 euros ao clube.Os agentes fizeram cinco revistas, quatro delas na Espanha e uma em Natal, nos quais foram apreendidos armas e material de informática.

Dólar opera em nova queda, após descer mais de 6% em dois dias

A cotação do dólar comercial recuava 1,10%, a R$ 2,159 na venda, por volta das 10h20 desta quarta-feira. A moeda americana já havia caído 6,23% nos dois últimos dias. O momento mais aguardado por investidores nesta quarta-feira é a decisão nos Estados Unidos sobre a taxa básica de juros americana, atualmente em 1,5% ao ano. Muitos analistas prevêem uma redução para 1%; alguns apostam em 0,75%.Já os juros na China foram cortados pela terceira vez em seis semanas, para 6,66% ao ano. Existem rumores de que o Banco do Japão estuda também diminuir a taxa de juro na reunião que será realizada na próxima semana. A previsão é de que o custo do dinheiro saia de 0,50% para 0,25%. A Bolsa de Tóquio saltou 7,7%. Ainda no Japão, a Toshiba e a Sony divulgaram queda expressiva em seus lucros. A estabilização do mercado cambial e das cotações do petróleo, junto com a desaceleração das vendas de fundos especulativos, contribui para a alta da maior parte das Bolsas da Europa nesta quarta-feira. Na Europa, o Fundo Monetário Internacional anunciou que um acordo foi assinado para garantir à Hungria empréstimos do FMI, da União Européia e do Banco Mundial num total de 20 bilhões de euros. No Brasil, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decide nesta quarta-feira se altera a taxa básica de juros do país. A medida, no entanto, só é divulgada após o fechamento da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).A Usiminas anunciou que seu lucro subiu 16% no terceiro trimestre, em relação a um ano antes, atingindo R$ 880 milhões.

João anuncia planos para o próximo governo

Um político mais maduro, consciente da difícil missão de gerir uma grande metrópole como Salvador e com desejo de resgatar a auto-estima da população e trabalhar por toda cidade, principalmente pelos mais carentes. Esse é o João Henrique que reassume a prefeitura da terceira capital do País em 1º de Janeiro de 2009. Depois de uma campanha intensa e vitoriosa, ontem à tarde o prefeito reeleito João Henrique Carneiro (PMDB) recebeu à imprensa em sua casa, no condomínio Alphaville, para anunciar o que a população pode esperar dele nesse segundo mandato. Reeleito com quase um milhão de votos, João reafirmou ontem que acredita que a vitória nas urnas foi o reconhecimento do povo de que é preciso dar continuidade ao trabalho realizado na primeira gestão. “Eu encontrei uma Salvador extremamente injusta, obsoleta, desigual, desumana. Uma cidade que permitia que mães passassem até cinco dias numa fila para matricular seus filhos, que via seus cidadãos suplicando por um atendimento nos postos de saúde, que não permitia que as crianças das ilhas viessem ao continente estudar porque seus pais não tinham condições financeiras e que era a capital brasileira do desemprego”, disse. “Na minha gestão essa realidade mudou. Nosso trabalho tinha como foco principal atender de imediato a população mais carente. E nós conseguimos, apesar de ainda termos muito o que fazer. Prova disso foi que no primeiro turno tive 48% dos votos do subúrbio e 39% da região de Cajazeiras. Tenho fé que no segundo turno essa votação foi ainda mais expressiva. Esse foi o maior reconhecimento de que consegui amenizar as injustiças vividas por essa parcela da população”, comemorou. Durante a coletiva João falou sobre uma reforma administrativa para esse segundo mandato. “Na verdade não se trata de uma reforma administrativa, mas sim, de uma rearrumação da máquina administrativa. Nós já começamos a realizar esse trabalho e prova disso é a Secretaria de Saúde, que hoje, do gabinete, o secretário controla o estoque de remédios. Antes a maneira de administrar era tão obsoleta que às vezes demorava 60 dias para chegar a informação que no posto de Alto de Coutos estava faltando tal medicamento. Outro exemplo é a matricula informatizada. Além dos pais não terem que passar noites e noites nas filas, se eles não matricularem seus filhos, a prefeitura vai até a casa desse cidadão saber porque aquela criança não foi matriculada”.

Preços dos combustíveis caem e alegram os consumidores

Uma economia de até R$ 0,10 por litro de combustível. Joelson da Silva, 27 anos, abastecia o carro a gasolina e gastava quase R$ 110,00. Há duas semanas, pesquisando os preços, consegue encher o tanque de gasolina por até R$ 96,00. O preço do álcool também sofreu redução. Enquanto a média de preços era de R$ 1,760, de 28 de setembro a 4 de outubro, desde a última semana já é possível encontrar o valor de R$ 1,52 por litro, ofertado em bombas da capital. Segundo a síntese dos preços praticados nas últimas quatro semanas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), de 28 de setembro a 4 de outubro, o preço médio de gasolina ao consumidor nos postos da capital baiana era de R$ 2,644. Nesta última semana, de 19 a 25 de outubro, o preço médio do litro de gasolina vendido em postos de Salvador foi de R$ 2,479. Isso representa uma queda média de R$ 0,99, ou seja, 3,7%. No Posto M30 Comércio de Combustíveis Ltda, da Liberdade, o preço na bomba no dia 21 era de R$ 2,399, valor mais baixo registrado pela ANP. Porém, para aqueles que não são adeptos à pesquisa de preços, a diferença do valor pago no total do tanque pode ser bastante alta. Por exemplo, os motoristas que procuraram o Posto Bahia Marina, na Avenida Contorno, no mesmo dia, abasteceram o veículo pagando R$ 2,79 pelo litro de gasolina. Walter Tannus, presidente do Sindicombustíveis, explica que a queda dos preços nos últimos 15 dias é resultado da livre concorrência. “É possível verificar redução dos preços para o consumidor. O preço é livre e flutua normalmente, regulado pelo próprio mercado”, afirma. A explicação para a queda de preços dos combustíveis nas bombas, segundo a entidade, é o fato de 55% dos postos de Salvador pertencer às distribuidoras e quando há insatisfação quanto ao volume de venda (quando se apresenta abaixo do valor de contrato com a Petrobras para armazenamento e venda), promoções são comuns. De acordo com a Lei 9.478/1997, alterada pela Lei 9.990/2000, vigora no Brasil, desde janeiro de 2002, o regime de liberdade de preços em toda a cadeia de produção, distribuição e revenda de combustíveis e derivados de petróleo. A legislação determina que não exista qualquer tipo de tabelamento, valores máximos e mínimos, nem necessidade de autorização prévia para reajustes de preços dos combustíveis em qualquer etapa da comercialização. Até então da Lei do Petróleo, que regulamentou a abertura do setor de petróleo e gás natural e criou a ANP, os preços dos combustíveis no Brasil eram fixados por atos do Ministério da Fazenda.

Pela manhã, Wagner atacou Geddel

O governador Jaques Wagner (PT) não diz, mas também não é necessário dizer. Na noite do último domingo e pela madrugada de ontem, no Largo de Sant’Anna, histórico ponto de comemoração, ou velório, de campanhas petistas, chovia de mesa em mesa, de boca em boca: “Com Geddel, não dá... Ele está criando uma cobra em casa”. O que Jaques Wagner não diz em público, mas está no ar por toda a Bahia, é que seu governo caminha para o rompimento com o PMDB do ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima. Isso complica o jogo no plano nacional, a aliança com o PMDB que Lula ensaia para a sua sucessão? Complica, mas ainda que não diga, muito menos em público, esse é um fator que o governador Jaques Wagner não mais levará em conta. Nesses paradoxos que a política propicia, a derrota de Wagner o liberta. O ministro da Integração jogou centenas de milhões para tirar do chão da impopularidade um prefeito, João Henrique, que até então fazia uma administração pouco mais que medíocre. Em nome da governabilidade e dos compromissos maiores para 2010, Jaques Wagner viu-se enredado por um tempo excessivo. O seu estado de espírito agora pode ser detectado com clareza na frase de entrevista que se segue: - Geddel, pelo que tudo indica, está construindo 2010, o que é um direito dele. Só que, obviamente, ele não irá construir 2010 dentro do meu governo. O presidente Lula comemora hoje 63 anos. Hoje, estará em Salvador, e com Wagner. Viagem marcada já há muito para compromissos luso-brasileiros. É provável que o delicado assunto PMDB versus PT na Bahia e as conseqüências para 2010, ainda que no ar como uma assombração, não desçam à mesa das conversas do Palácio de Ondina. Terra Magazine - Governador, e aí, qual é o resumo da ópera? Jaques Wagner - Eles construíram uma aliança com o DEM que deu certo. Se você for ver a votação, foi a soma dele com ACM Neto. Prosperou a aliança PMDB-DEM, embasada numa lógica anti-petista. Terra Magazine - Foi uma aliança pró-prefeito João Henrique ou anti-petista? jw - Foi uma aliança contra o meu governo, contra o PT, e nisso o ACM (NR: o Neto) encaixou bem. Foi isso que aconteceu, e eu não tenho nada para reclamar. Só que eles agrediram ao meu governo e ao PT, desnecessariamente, e aí ficam sequelas que vamos analisar se são superáveis. Terra Magazine - Bem, o sujeito oculto disso tudo que o senhor está dizendo é Geddel... jw - Geddel, pelo que tudo indica, está construindo 2010, o que é um direito dele. Só que, obviamente, ele não irá construir 2010 dentro do meu governo. Terra Magazine - Para quem não sabe, foi um governo eleito com o PMDB de Geddel Vieira Lima, hoje ministro da Integração Nacional. jw - ...Se ele quer ser candidato, e repito que é um direito dele, não será construindo sua candidatura dentro do meu governo. (Por Bob Fernandes)
“Não quero mandar em nada”, diz ministro
A reeleição do prefeito João Henrique (PMDB), em Salvador, projeta uma sombra para a aliança PT-PMDB em 2010. Mas o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, padrinho político do candidato vitorioso, não vê danos imediatos para a parceria com o governador Jaques Wagner (PT). Nem vê dificuldade para o diálogo depois de uma campanha marcada por insultos contra o governo estadual. - 2010 é 2010 - define, em entrevista a Terra Magazine. “Essa questão de Wagner me procurar ou eu procurar Wagner... Eu não sou enamorado brigado com namorada. Esse tipo de coisa é quando a gente está namorando”, complementa o ministro, irritado.Geddel se apressa em desfazer a idéia de uma aliança automática com o DEM, aliado estratégico no segundo turno: - O DEM e ACM Neto escolheram, depois de procurados também pelo PT, o apoio à candidatura de João Henrique e do PMDB, em troca, exclusivamente, de o prefeito absorver quatro pontos do seu programa original. Foi um apoio circunstancial - enfatiza.Com 99% das urnas apuradas, João Henrique conquistou 58,44% dos votos; Walter Pinheiro, do PT, estacionou em 41,56%. Terra Magazine - Com a vitória de João Henrique, quem deve procurar primeiro o outro pra conversar, o senhor ou Jaques Wagner? Geddel Vieira Lima - Querido amigo, essa bobagem não é do tamanho da responsabilidade que nós temos pela frente. Não tenho dificuldade de procurar ninguém, nem deixar de ser procurado. Isso pra mim é uma coisa menor. O compromisso que o prefeito João Henrique vai capitanear nesse processo é com a cidade do Salvador. Essa questão de Wagner me procurar ou eu procurar Wagner... Eu não sou enamorado brigado com namorada. Esse tipo de coisa é quando a gente está namorando. Um homem público, um homem maduro, que tem responsabilidade, faz coisas sérias para o País e minha cidade. Terra Magazine - Como sai o PMDB das eleições, na Bahia? GVL - É evidente que o PMDB sai fortalecido. O PMDB sai com uma grande votação, tanto no interior quanto com a consolidação da vitória de João Henrique. Mas esse fortalecimento não é contra ninguém. É a favor da cidade do Salvador, a favor do Estado da Bahia. Terra Magazine - E sua aliança com ACM Neto e Paulo Souto? GVL - Que aliança? Não houve aliança com ACM Neto e Paulo Souto. A democracia, quando estabeleceu a eleição em dois turnos, ela sinalizou que o eleito deveria ter a maioria da votação do eleitorado. Isso significa dizer que aqueles que não passaram para o segundo turno têm que fazer uma escolha eleitoral. O DEM e ACM Neto escolheram, depois de procurados também pelo PT, o apoio à candidatura de João Henrique e do PMDB, em troca, exclusivamente, de o prefeito absorver quatro pontos do seu programa original. Foi um apoio circunstancial. Aliança nós fizemos com o PTB, que nos forneceu o vice, o professor Edvaldo Brito. E com o PP e o PDT no primeiro turno. Recebemos o apoio. Ponto. Nada pra 2010. Terra Magazine - Em 2010, o senhor e o PT... GVL - 2010 é 2010. Você me liga quando 2010 chegar. Terra Magazine - Como vê a crítica de que o senhor vai mandar mais que o prefeito João Henrique na prefeitura? GVL - Com naturalidade. As pessoas confundem às vezes a característica de humildade e de generosidade do prefeito João Henrique com falta de firmeza. Talvez esse tenha sido o grande defeito dos adversários. A humildade e a generosidade não podem ser confundidas com falta de firmeza. Pelo contrário. Nos debates, ao longo da campanha, ele demonstrou firmeza e capacidade decisória que o conduziu à vitória. Da minha parte, não quero mandar em absolutamente nada. Tenho no prefeito João Henrique um amigo, é da minha geração, conheço os pais... Tivemos divergências, encontros e desencontros... Mas nossa união é algo maior do que qualquer fofoca, qualquer intriga. Terra Magazine - O governador Jaques Wagner se queixou do tom da campanha do PMDB. Achou agressiva e desrespeitosa com o governo estadual. GVL - O governador Jaques Wagner tem direito a se queixar do tom da campanha. Nós nos queixamos do tom da campanha e, no momento em que o governador Jaques Wagner, o líder político do Estado, quiser conversar sobre esses temas todos, nós estaremos sempre abertos, com muita humildade, para sobre eles tratá-los. Até porque o meu compromisso e o do prefeito João Henrique é pra criar todas as facilidades para o presidente Lula levar adiante o projeto de Brasil que tem dado certo. Terra Magazine - Nacionalmente, como fica o PMDB após as eleições municipais? GVL - Houve um crescimento do PMDB nacional, mas o argumento é o mesmo: não pra se imaginar que vai ser utilizado contra quem quer que seja. O crescimento do PMDB, com seu histórico de contribuições à democracia do País, à luta por avanços econômicos e conquistas sociais, só pode ser visto como o crescimento de um partido que tem inegáveis contribuições a dar para o futuro do País.(Por Claudio Leal )
PT erra na análise e coloca em xeque aliança
Fazer política com o fígado, ensinam os antigos mestres, pode eventualmente produzir resultados, mas contraria o princípio básico da arte, que é a soma, a compatibilização de forças e interesses para facilitar aos protagonistas o exercício do poder e a definição de projetos futuros. A realidade, por si só, é conflituosa demais para que governantes e outros entes políticos ajam sob pura emoção ou excesso de autoconfiança. Um exemplo que vale ser citado, pela proximidade temporal e pela relação direta com o recém-findo pleito de Salvador, é o do ex-prefeito Antonio Imbassahy (PSDB). Candidato ao Senado em 2006, desejava ser o único anticarlista da disputa, e por isso não gostou quando se consolidou o nome de João Durval (PDT), pai do prefeito João Henrique, em aliança branca com Jaques Wagner para governador. Qualquer que fosse o resultado, jurou na época, concorreria à prefeitura da capital em 2008. Anúncio meramente hepático, uma ameaça longínqua à reeleição de João Henrique. Imbassahy foi terceiro colocado naquela eleição, perdendo até na cidade que dirigira por oito anos. Dois anos depois, cumpriu a promessa, mas nas mesmas condições anteriores – palanque fraco e carência de recursos – chegou em quarto lugar para prefeito. O tema decorre, ainda, da trapalhada promovida pelo PT na sucessão municipal. A observação da cena política, ao longo de muitos anos, dá a impressão de que o partido jamais foi aliado sincero do prefeito. Seria certo e legítimo que, ante divergências essenciais, tivessem algum dia rompido, mas a análise que se permite é a de que, desde o primeiro dia, os petistas de todas as correntes ingressaram na gestão municipal com hora certa para pular fora, ainda que fosse a última. (Por Luis Augusto Gomes)

Bahia na rota da sórdida exploração sexual de crianças

No lugar das brincadeiras de infância, da conversa com a turma de amigos e da paquera tão característica da adolescência, a exploração do corpo em troca de um artigo da moda, de uma promessa de emprego e da realização de um sonho qualquer. Essa é a realidade de milhares de meninas e meninos traficados e explorados sexualmente por agenciadores que formam redes de comércio sexual. Uma pesquisa inédita na Bahia realizada pela Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, em parceria com o Instituto Winrock, de origem americana e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) revela o perfil do tráfico e do abuso comercial de crianças e adolescentes no Estado. De acordo com o relatório lançado durante o V Encontro Internacional sobre Direitos Humanos, Segurança Pública e Enfrentamento ao Tráfico de Seres Humanos, no Centro de Convenções, 54%,5 têm entre 12 e 15 anos, 86% pertencem ao sexo feminino, 40,9% são negras, 55% só possuem o ensino fundamental, mais de 30% só sabem ler e escrever, 65% têm renda inferior a um salário mínimo e 54,5% é oriunda de outros municípios. O documento gerado através da pesquisa - realizada entre os meses de janeiro a março deste ano - em Feira de Santana e Salvador traça a situação do crime no Estado, a partir do contato com 22 vítimas. Além disso, o relatório mostra os mecanismos usados pelas redes de exploração e aponta os caminhos para o Plano do Comitê Estadual de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, criado ano passado.
Vítimas são traficadas e exploradas
Crianças e adolescentes que saem de várias localidades dentro e fora da Bahia, a exemplo do Ceará e que vão ser exploradas em outras regiões. Dessa forma se configura a exploração de menores no Estado. “O que nos surpreendeu foi que esse tráfico é interno, através de deslocamentos intermunicipais e sazonalmente, ou seja, em épocas de carnaval e festas religiosas. As meninas são levadas para onde tem festa de grande impacto e ou locais com bastante aglomeração”, conta a socióloga e assessora técnica do estudo, Graça Gadelha, enfatizando a existência de apenas um caso de adolescente por tráfico internacional, que foi levada para Argentina. De acordo com a socióloga fica evidente a falta de fiscalização nas rodovias brasileiras, onde existem 1.800 pontos de vulnerabilidade. “Essas crianças transitam facilmente de carro e ônibus pelas estradas de nosso país. Além disso, a rede funciona com a parceria e conivência de setores do turismo, empresas, hotéis e motéis”, relata. Em outro estudo qualitativo, quando as crianças e adolescentes são questionados, se iriam morar em outro lugar com a promessa de melhorar de vida, mesmo sem saber o que seria o trabalho, mais de 90% respondem que aceitam. “Se eles não têm expectativa de vida ficam mais vulneráveis às redes de exploração que tentam atraí-los pela carência que essas crianças possuem de alguma coisa, como estrutura e apoio familiar e bens materiais”, ressalta Gadelha “Basta um passeio pela orla, centro histórico e bairros periféricos de Salvador ou pelas rodovias e postos de gasolina do interior do Estado para se encontrar meninas e meninos com estórias de vida, que geralmente começam com a pobreza e ausência de atendimento das suas necessidades básicas, o abuso e a violência dentro da própria casa, evoluem, na total falta de perspectivas de mudança desse quadro, para a busca de uma vida melhor no exterior, na capital ou em qualquer outro lugar que pareça oferecer algo melhor”, diz a representante do Instituto Winrock, Débora Aranha. A maioria das vítimas de aliciamento e comércio sexual já sofreu abusivo por um parente e ou pessoa próxima e vive sob a linha da pobreza. Para a secretária de Justiça e Direitos Humanos do Estado Marília Muricy, o mais grave nessa situação é ainda o silêncio e a indiferença da sociedade por medo. “É preciso ter um mínimo de capacidade de correr riscos para favorecer a moral social. Além da articulação entre as secretarias e os órgãos do Estado no sentido de prevenir, reprimir o crime e atender as vítimas é preciso que a sociedade denuncie. É necessário que as pessoas olhem para aquela criança explorada como se fossem seus filhos”, afirma.
Do romance ao inferno do sexo na Itália
De uma simples paquera de carnaval de Salvador para um romance intenso que se tornou à peça chave para o inferno da exploração sexual na Itália. Essa é a história de uma jovem transexual que sofreu até conseguir se livrar de uma rede de prostituição e exploração sexual européia que tem sustentáculos também no Brasil. Há dois anos, a soteropolitana se envolveu com um italiano na faixa dos 30 anos, que durante dois meses foi um “verdadeiro príncipe” para ela, e que somente na Itália se revelou como um traficante especializado em seduzir e capturar pessoas para o comércio sexual. “Os dias em que ele ficou comigo foram de sonhos, viajamos, ele conheceu a minha família e o meio onde eu andava. Ele se mostrava muito educado e carinhoso, jamais eu iria desconfiar do que ia fazer”. Depois que foi embora, a jovem e o estrangeiro continuaram o namoro por telefone e Internet e ele a convidou para passar 15 dias na França. O rapaz a abasteceu de todas as despesas da viagem enviando 500 euros. “Lá na França vivemos em lua de mel e ele continuou se mostrando uma pessoa maravilhosa. Foi então que me chamou para conhecer a Itália. Para esse destino fomos de trem e descemos em Milão, onde ele disse que teria que viajar para resolver algo do trabalho e iria me deixar na casa de uma amiga. Não desconfiei de nada. Ao chegar na casa essa amiga que falava italiano fluentemente me tratou muito bem. Somente no dia seguinte tomei um susto quando fui acordada por ela falando alto e em português dizendo: Acorda seu sonho acabou. Você vai ter que me pagar uma dívida de oito mil euros.” Naquele momento, a transexual se viu vítima de um esquema milionário que a escravizaria por mais de um ano. “Cada coisa que eles compravam para mim minha dívida aumentava e eu ainda tinha que pagar mais 250 euros por semana”, conta. Ameaças de morte à sua família no Brasil, perseguições e violência viraram uma rotina em sua vida. Uma vigília em torno de seus passos a impedia de telefonar para os amigos e a família e o seu dia-a-dia era um inferno d?e cobranças. “Um dia vi eles jogarem ácido em uma das meninas. Era terrível” Para se livrar da situação, ela aproveitou uma brecha que lhe permitiu enviar um email para uma amiga contando tudo que estava passando. A partir desse contato a polícia brasileira acionou a embaixada que chamou a Interpol para cuidar do caso. Um agente precisou se fingir de cliente dela para conseguir retirá-la da casa e enviá-la de volta ao Brasil. “Passei várias necessidades, fiquei presa por 33 horas e vi muita coisa triste”, lembra a jovem, enfatizando que a atuação dos traficantes e exploradores é grande. Um levantamento do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC) mostra que o tráfico de pessoas movimenta por ano, em todo o mundo, de US$7 bilhões a US$9 bilhões de dólares, perdendo em lucratividade apenas para as drogas e o contrabando de armas. Cerca de 90% desse tráfico está relacionado com a exploração sexual e as principais vítimas são mulheres, crianças e adolescentes com entrada crescente também de homens. No estudo, o Brasil é apontado como território de origem, trânsito e destino de pessoas traficadas para diversas finalidades.

LULA NO SOLETRANDO


332 VAGAS NO IBGE

O IBGE divulgou o número de inscritos para o processo seletivo simplificado que oferece 332 vagas para o cargo de analista censitário. São 9.703 inscritos – 29,22 candidatos por vaga. Clique aqui e veja os locais de prova. Os candidatos selecionados trabalharão no planejamento do censo 2010 até 12 meses, prorrogável por no máximo mais 12. O salário mensal será de 4 mil reais, auxílio-alimentação, auxílio-transporte, férias e 13º salário por 40 horas de trabalho semanais. Veja aqui o edital. São 314 vagas sendo 18 destinadas a portadores de necessidades especiais. A área com maior concorrência é a de geoprocessamento em São Paulo – 161 pessoas concorrem a uma vaga. Depois vem a de jornalismo em Curitiba – 129 candidatos para uma vaga e o terceiro lugar a de geoprocessamento em Salvador – 125 inscritos para uma vaga. Clique aqui para ver a relação completa de candidatos/vaga. Os candidatos devem ter nível superior completo. As principais formações exigidas serão administração, análise de sistemas, biblioteconomia, ciências contábeis, comunicação social (jornalismo e produção editorial), geografia, economia, engenharia de produção, engenharia de sistemas, estatística, letras (espanhol e inglês), pedagogia e programação visual.

UMA SUCESSÃO DE ERROS

Aceite quem quiser, mas é muito difícil discordar do argumento do ministro Geddel Vieira Lima, segundo o qual faltou coerência ao PT no processo sucessório em Salvador. O vacilante posicionamento do governador Jaques Wagner, o menosprezo a João Henrique desde antes da campanha, o apoio a três candidatos no primeiro turno e o mergulho de cabeça no palanque de Walter Pinheiro no segundo turno foram alguns ingredientes que favoreceram a derrota, que acabou sendo debitada mais na conta do governador do que do próprio deputado que perdeu na capital.Parêntese: quando João saiu do PDT, Wagner teve a chance de atraí-lo para o PT, mas acabou empurrando o prefeito para o PMDB. Um dos motivos que teria sido levado em conta foi o alto índice de rejeição ao ex-pedetista. Geddel, sabido todo, botou o filho de João Durval no colo, ajudou sua administração e o resto da história todo mundo sabe.Pinheiro teve grandes dificuldades para explicar as críticas a um governo do qual o PT fez parte durante 40 meses (de janeiro de 2005 até abril de 2008!). Certo que o povo não morreu de amores pela administração JH, mas isso não significa que o soteropolitano fosse comer qualquer farofa preparada com ingredientes estranhos e suspeitos. Ficou claro que o PT abandonou o barco porque não admitia deixar de ter candidato próprio e acreditava que João Henrique estivesse “morto”. Avaliação apressada e simplória, que custou caro ao governador Wagner.Apesar da imagem de Lula ter sido insistentemente usada em quase todos os municípios, muitos analistas (Eliane Cantahnêde, por exemplo) consideram que um presidente – por mais popular que seja – pode não ser o maior transferidor de votos em uma eleição municipal. Já o governador, por estar mais próximo do “público-alvo”, teria mais condições de exercer esse papel. Tal avaliação acentua o raciocínio de que Wagner foi o grande derrotado no último domingo.Aos que entendem que o PT errou, resta o papel de identificar os equívocos e fazer as mudanças. Na Bahia, faltou ao partido um mínimo de desapego ao poder e reconhecimento ao inegável apoio que o PMDB deu à vitória de Wagner em 2006 (ou pirão comido é esquecido?). Pode-se até dizer que o PT perdeu uma boa oportunidade de desmentir aquela história de que é um partido “que não dá sombra nem encosto”.Não se pode deixar de reconhecer que Wagner acertou quando apostou no crescimento de Walter Pinheiro, quando este ainda se encontrava com ínfimos 3% das intenções de voto. Mas errou ao apoiar três candidatos no primeiro turno, sob o argumento de que eram todos da base (como diz Mário Kertész, quem tem três candidatos não tem nenhum). Se o critério fosse esse, deveria valer para todos os municípios, mas em Itapetinga, por exemplo, Wagner apoiou um candidato do PMDB, quando havia outros “da base” (inclusive do próprio PT, o que acabou vencendo, contra o governador).Além de ter entrado na campanha de Pinheiro no segundo turno, Wagner cometeu o erro de despir-se da liturgia do cargo e atacar duramente o peemedebista em discursos inflamados. Bateu no mesmo João Henrique que era um dos seus candidatos no primeiro turno e de cujo governo o PT foi colaborador por mais de três anos. Exagerou na dose e acabou revelando aquela incoerência que o eleitor não costuma perdoar.Os companheiros, infelizmente, também pecaram pela arrogância. Primeiro por subestimar o inimigo, depois por tentar convencer o eleitor com a balela de que o sol brilharia mais forte em Salvador se a cidade tivesse um prefeito do mesmo partido do governador Wagner e do presidente Lula. E para completar, Pinheiro ainda ficou com a imagem de mau-perdedor, ao declarar que os soteropolitanos vão precisar de “muita sorte” nos próximos quatro anos. Qual é, Pinheiro?! Aquela era a hora de dizer: “vou telefonar ao vencedor para lhe dar os parabéns e desejar sorte”.Dessa sucessão de erros que “se sucederam sucessivamente”, restaram cadáveres insepultos e feridas não-cicatrizadas. Wagner já disse que Geddel não vai construir 2010 dentro de seu governo e, ontem, a vereadora petista Vânia Galvão declarou que o partido, que elegeu seis representantes na Câmara Municipal de Salvador, vai fazer oposição a João Henrique. Declaração apressada, raivosa e ressentida contra um partido que ainda, pelo menos oficialmente, faz parte da base dos governos estadual e federal. Não que o PT deva ser refém de Geddel, mas já passa da hora de pensar em concórdia e, mais ainda, na governabilidade.(*) Ricardo Ribeiro é blogueiro e advogado

CONFUSÃO NO SHOW DO SORRISO MAROTO EM ITABUNA

O que era pra ser uma tarde descontraída e de muita alegria no show do grupo Sorriso Maroto(ontem no Espora de Ouro),por pouco não foi uma arena de quebra-quebra por parte dos que foram ver a atração principal do show.Horas se passavam e nada do grupo subir ao palco, os fãs apreensivos e muitos deles nervosos começaram a pressionar os organizadores pedindo o dinheiro de volta, e diziam em alto e bom som: vocês estão vendendo gato por lebre, algumas pessoas arremessam contra o palco principal latas de cervejas.Aproximadamente passados 00:30 de hoje,foi dado o ar da graça,os organizadores da festa se reuniu ainda no camarim com a produção do Sorriso Maroto, e entraram em consenso.Depois de pago o cachê conforme combinado,passou a agonia e o Sorriso Maroto tocou para uma minoria que ainda tinha a esperança de ver o grupo.