Para veteranos do Watergate, caso lembra investigação contra Trump



"Quem imaginava que isso poderia acontecer de novo?" Inevitavelmente, a pergunta guiou o reencontro de 50 ex-membros do Comitê do Watergate no Senado no último dia 17, no prédio-símbolo do escândalo, 45 anos após a eclosão do caso que levou à queda do presidente Richard Nixon (1969-1974).

Entre os ex-assessores, não havia dificuldades em apontar as semelhanças entre as investigações sobre uma possível interferência russa nas eleições de 2016 –e o envolvimento de membros da equipe do presidente Donald Trump–, e o caso sobre o qual se debruçaram há mais de quatro décadas.


Um deles era o advogado Rufus Edmisten, 75, o homem responsável por levar até a Casa Branca, em julho de 1973, a intimação para que o presidente Nixon entregasse as gravações feitas de suas conversas no Salão Oval.

"Eu sempre achei que viria um novo Watergate, mas não com tantas semelhanças assustadoras", disse à reportagem, na última sexta (30).

Edmisten era o vice-conselheiro-chefe do Comitê do Watergate no Senado e o braço direito do senador democrata Sam Ervin, que presidia o comitê junto com o representante da minoria republicana, Lowell P. Weicker.

Seu papel era variado, indo desde pré-sabatinar as testemunhas antes da audiência no comitê até cuidar das credenciais de imprensa.

Hoje, Edmisten, que é sócio num escritório de advocacia na Carolina do Norte, compara o comportamento dos dois presidentes republicanos frente aos escândalos.

"Como Nixon, Trump parece acreditar que o Executivo tem mais poder do que o Legislativo e o Judiciário", diz. "Os dois também demitiram pessoas importantes relacionadas às investigações: Nixon retirou o procurador especial do caso [Archibald Cox], Trump, o [diretor do FBI James] Comey".

No caso de Nixon, tudo começou com a invasão da sede do Partido Democrata no Watergate em junho de 1972, durante a campanha à Presidência na qual ele concorria à reeleição. Apesar de ter sido divulgado, antes do pleito, que o FBI descobrira a ligação entre a ação e a equipe de campanha de Nixon, o republicano foi reeleito.

Apenas em fevereiro de 1973, o comitê do Watergate no Senado seria formado.

Apesar da comparação, Edmisten ressalta que as investigações sobre uma suposta intervenção da Rússia nas eleições e a possível participação da equipe de Trump está em "estágio muito inicial".

"A investigação do Watergate começou em 1972, e Nixon não deixou o posto até 1974. Essas coisas não acontecem da noite para o dia", lembra. "As pessoas esperam ter um resultado na velocidade da mídia, que traz notícias 24 horas, mas não acontece dessa forma. A lei é mais devagar".

Gordon Freedman, 65, que aos 21 se tornou um dos assistentes do comitê, lembra que as provas ligando Nixon só vieram com a descoberta de que havia fitas, por meio de um depoimento de um assessor, e a liberação, um ano depois, da gravação que comprovava a tentativa de obstrução da Justiça.

"Até que isso acontecesse no Watergate, nunca ninguém pensou que chegaria até o presidente", afirma Freedman, que tinha como principal tarefa analisar a ampla papelada relacionada às campanhas de 1972 em busca de provas.

No caso de Trump, o próprio presidente já sugeriu que a demissão do ex-diretor do FBI estaria relacionada à investigação sobre a Rússia.

Comey também afirma que Trump teria pedido para que ele deixasse de lado o caso envolvendo as relações do ex-conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn com Moscou. O presidente chegou a sugerir que teria gravado as conversas com Comey, mas semanas depois negou a própria declaração.

"Os casos são muito parecidos no sentido de que houve problemas durante a campanha que têm que ser investigados, já com o novo presidente no posto", diz Freedman, que hoje tem uma ONG de educação. "Mas a investigação sobre a Rússia é potencialmente muito mais destrutiva, porque, se comprovada, é a prova de um governo estrangeiro interferindo na política doméstica".

Edmisten disse já ter dado um conselho ao amigo Richard Burr, republicano à frente do Comitê de Inteligência do Senado, que investiga o caso da Rússia. "Disse que eles têm que ter um esforço bipartidário e manter um comitê não político. E que não podem correr [por resultados], que têm que fazer no seu tempo", diz. "Mas acho que estão fazendo um bom trabalho". Com informações da Folhapress.
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!