Teste de febre amarela é peticionado pela Bahiafarma e deve estar disponível no verão


O sucesso obtido com os testes de dengue, zika e chikungunya abriu novas portas para a Bahiafarma. Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu à empresa baiana registro para produção de insulina (veja aqui). E, de acordo com o presidente da empresa, Ronaldo Dias, a Bahiafarma já peticionou o teste de febre amarela. "A tendência é que no verão já esteja disponível para a população", ressaltou o gestor em entrevista ao Bahia Notícias. A nova ferramenta será produzida a partir da parceria com a empresa coreana Genbody Inc., também envolvida na produção dos testes das três arboviroses que atingiram o Brasil no último ano. "Eu acho que a gente tem caminhado muito bem. De chikungunya, dengue e zika já vamos entregar todos os contratos celebrados no ano passado e início desse ano. A tendência é que a gente já discuta os contratos agora para o próximo verão, porque a gente sabe que todo verão tem aumento dessa demanda", acrescentou. Na avaliação de Dias, a Bahiafarma "tem caminhado muito bem" e segue uma tendência cada vez mais forte de gerar dividendos para o estado. "Essa fábrica [de insulina], por exemplo, vai gerar emprego, arrecadação... É uma oportunidade que a gente não tinha antes. A gente tinha uma Bahiafarma que consumia recursos do tesouro. Hoje ela vive realmente da ação dos produtos que ela vende e a tendência é que esse processo se amplie ainda mais", pontuou. Com a proximidade do verão, a produção dos testes rápidos passa a ser ainda maior, já que o ciclo do mosquito está ligado às estações do ano, elevando o número de casos de arboviroses. Em contratos firmados com o Ministério da Saúde, a Bahiafarma já vendeu 2 milhões de testes de dengue, 1 milhão de chikungunya e 3,5 milhões de zika. "A nossa dúvida sempre é sobre o que vai aumentar, se é dengue, zika, chikungunya, febre amarela, Mayaro, Oropouche ou doenças novas que podem aparecer. O que a Bahiafarma tem tentado é se formatar como uma ferramenta do ministério para combater essas doenças", concluiu. De acordo com dados da Secretaria da Saúde da Bahia, o estado registrou neste ano 7.643 casos prováveis de dengue, 4.982 de chikungunya e 1.362 de zika. A pasta informou que, desde 2000, a Bahia não registra casos de febre amarela. Neste ano, foram 15 suspeitos, dos quais 14 foram descartados. Não há registros de febre do Mayaro ou vírus Oropouche no estado.
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!