Associação estima 84 mortes por amianto na BA; STF julga nesta quinta proibição do produto




Alguns tipos de telhas, caixas d’água e até peças automotivas podem ser consideradas um risco à população, em razão de um componente. Ele é leve e fino, pode estar contido até no ar: o amianto. O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quinta-feira (17) o julgamento da validade de quatro leis estaduais de Pernambuco, São Paulo e Rio Grande do Sul que proíbem a substância. A Bahia também possui um projeto de lei específico, de autoria do deputado estadual Rosemberg Pinto (PT), apresentada em 2014. A tramitação está parada desde então. “Propus o projeto porque trabalhei na área petroquímica durante muitos anos e sei que, da mesma maneira que o benzeno é produto cancerígeno e nós regulamos isso, inclusive trabalhamos a partir da Bahia e fizemos uma lei nacional que regulamenta a utilização do produto à base desses produtos cancerígenos, o amianto também é na mesma situação, no momento do manuseio dele. Já há um histórico de uma mina de amianto na minha região, em Poções. Essa mina deixou muitas sequelas na região na década de 60/70 e por conta disso existe grupo organizado na Bahia que me procurou no sentido da gente trabalhar pra regularizar isso como lei”, explicou o petista em entrevista ao Bahia Notícias. De acordo com Belmiro dos Santos, presidente da Associação Baiana dos Expostos ao Amianto (Abea) em Simões Filho, as sequelas são notadas ainda hoje. Entre 2001 e julho deste ano, foram registradas 84 mortes causadas por influência do amianto. Setenta e nove vítimas eram ex-funcionárias da Eternit (empresa que produz telhas), mas apenas 11 casos foram comprovadamente causados pela substância.

Os demais 68 estão sob suspeita, porque muitos não tiveram tempo hábil para concluir os exames de investigação ou não deram continuidade por opção. Ainda há outros quatro casos de mesotelioma, o câncer mais grave causado pelo amianto: em um ex-trabalhador da Alcan, outra ex-trabalhadora da Calorisol, um ex-funcionário da Permatex e outro da Brasilit (estes dois últimos trabalhavam em São Paulo, mas morreram em solo baiano). Três viúvas de ex-trabalhadores da Eternit, que lavaram roupa com amianto, também morreram. Duas delas com diagnóstico de câncer de pulmão. “Ela é uma fibra muito fina e leve, você respira ela. Você inala e ela se aloja nas placas pleurais, nos pulmões, através da inalação. Tanto que os pedreiros que serram as telhas sem proteção estão sujeitos a se contaminar, o encanador que fura a caixa d’água pra instalação. Tem até caso de caminhoneiro que transportava o produto e morreu com doença relacionada a essa exposição”, explicou Belmiro. Entre as doenças associadas à substância estão fibrose pulmonar, que causa o endurecimento gradual do tecido pulmonar e consequente falta de ar, cansaço, emagrecimento e dores nas pernas. A doença não tem cura e continua progredindo, ainda que o indivíduo não se exponha mais à poeira do amianto. A manifestação dos sintomas pode demorar de 15 a 40 anos após o último contato com a substância.
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!