EUA investigam contas de operador que indicou pagamentos ao PT


O Departamento de Justiça (DJ) dos EUA investiga transações bancárias realizadas pelo engenheiro Zwi Skornicki, apontado na Operação Lava Jato como operador de propinas do esquema Petrobrás. Em um documento obtido pelo Estado, o DJ solicita às autoridades suíças colaboração para investigar contas e depósitos realizados por Skornicki à Bay Island Corporation, com sede nas ilhas Cayman, além de uma empresa offshore utilizada pelo operador. De acordo com o texto, Skornicki teria tratado de valores ilícitos com o ex-gerente de Engenharia Pedro Barusco e o ex-diretor de Serviços da estatal petrolífera Renato Duque. Segundo Skornick, 50% da propina sobre contratos da Petrobrás “iam para o partido”, numa referência ao PT. Skornicki ainda teria intermediado propinas do estaleiro Keppel Fels para Barusco, Duque e o PT. Entre os bancos suíços utilizados estariam o Lombard Odier, com valores de US$ 4 milhões. Outro banco utilizado na Suíça seria o Delta. Nos EUA, o foco é o Citibank. “As autoridades requerentes (EUA) investigam sobre os atos de corrupção e lavagem de dinheiro que poderiam ser cometidas com relação às condições de atribuição de contratos públicos por parte da empresa brasileira Petrobrás”, indica o documento. De acordo com os americanos, a partir de 2003, intermediários teriam pago milhões em contas de ex-diretores e funcionários brasileiros com vistas a “conseguir contratos com a Petrobrás”. “As autoridades requerentes (EUA) indicam que fundos ligados com as investigações nos EUA teriam transitados por contas na Suíça”, alerta o documento. As investigações ainda demonstraram que, após a deflagração da primeira fase da Lava Jato, Skornicki abriu a conta Sunshine, nr. 1014029, em nome da offshore Bay Island, no Itau Suisse. A empresa, criada em 2013, teve todas suas ações transferidas para o operador e sua esposa, em 2014. Berna deu um sinal verde para enviar os documentos aos americanos. Mas advogados de Skornicki entraram com recursos, o que adiou uma decisão final até junho deste ano, quando o Tribunal Penal Federal da Suíça derrubou qualquer tipo de bloqueio ao envio dos dados.
Estadão
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!