Em São Paulo, Alckmin equilibra contas, mas atrasa obras



Após ocupar por 12 anos a cadeira de governador de São Paulo, em quatro mandatos diferentes, Geraldo Alckmin chega à presidência nacional do PSDB com a fama de político conciliador e gestor responsável do ponto de vista fiscal, mas descumpridor de prazos na execução de obras e entrega de promessas. Ao mesmo tempo em que os pagamentos estão em dia, o caixa registra superávit primário de R$ 1,5 bilhão e a reforma previdenciária estadual já tenha sido finalizada em 2011, Alckmin não transformou as facilidades de estar à frente de um Estado administrado há mais de duas décadas pelo mesmo partido em benefícios imediatos para a população. A lista de obras e cronogramas alterados é extensa. Até mesmo agora, quando inaugurar estações de metrô, por exemplo é vitrine essencial para a fase de pré-campanha de qualquer candidato, o planejamento registra atrasos. Em janeiro, o tucano havia prometido inaugurar até o fim deste mês nove estações da Linha 5-Lilás. A única que ficaria para 2018 seria Campo Belo. Passado quase um ano, só três foram abertas e as demais têm prazos escalonados entre janeiro e dezembro do ano que vem. Inicialmente, todo o ramal deveria ter sido entregue em 2014. A demora em concluir as promessas – há atrasos também nos canteiros de obras do Rodoanel Norte, do trem que chegará ao Aeroporto de Cumbica, do novo sistema de abastecimento de água São Lourenço, entre outros – tem relação direta, segundo a gestão Alckmin, com a crise econômica que fez a capacidade de investimento do Estado ser reduzida em 26% nos últimos três anos. Em 2014, quando se reelegeu, em primeiro turno, para o quarto mandato, Alckmin alcançou o teto de recursos investidos em novas obras ou programas: R$ 21 bilhões. No ano passado, esse valor caiu para R$ 15,6 bilhões, mesmo ritmo atual. Diante do quadro de queda na arrecadação de impostos no Estado e alta da taxa de desemprego no País, o governo afirma que precisou fazer escolhas. Os números oficiais mostram que foram quatro frentes: transporte público, transporte rodoviário, habitação e saneamento básico. As duas primeiras áreas consumiram mais da metade dos recursos aplicados em investimentos no ano passado. Entre os motivos estão o Trecho Norte do Rodoanel (previsto para fevereiro deste ano e prorrogado para março de 2018) e as obras não só da Linha 5-Lilás, mas das Linhas 4-Amarela (que começaram em 2004 e deveriam ter sido finalizadas em 2014), 17-Ouro e 15-Prata, esses dois últimos monotrilhos que deveriam já estar em operação. A primeira preocupação do governo tem sido pagar as despesas do dia a dia e evitar atraso de salários, aposentadorias e pensões. Diferentemente de outros Estados, como o Rio, em São Paulo os servidores recebem em dia – o pagamento da segunda parcela do 13.º salário foi até antecipado por Alckmin em cinco dias -, mas em compensação, grande parte das categorias não tem reajuste há pelo menos três anos, como os professores. Líder do PT na Assembleia Legislativa, o deputado Alencar Braga diz que é o funcionário público do Estado quem paga o preço do ajuste fiscal de Alckmin. “E nem sabemos ao certo se as contas do governo são assim tão equilibradas. Falta transparência. E, se o caixa está cheio, por que é necessário privatizar linhas de metrô, parques e a própria Cesp (Companhia Energética de São Paulo), como quer o governador?” Membro da base aliada de Alckmin, o deputado estadual Coronel Camilo (PSD) não poupa elogios à gestão do tucano, mas também avalia que ele poderia ter “equalizado” melhor a questão do funcionalismo.

Estadão
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!