Entenda o Projeto De Lei Que Altera Registro De Agrotóxicos.


A Câmara dos Deputados analisa um projeto de lei que muda as regras de restrição de agrotóxicos e altera o processo de liberação de novos produtos.


Polêmica, a proposta está na fase de comissão especial, que antecede a votação no plenário da Casa. Nova reunião está marcada para o dia 29 de maio, quando deve ser votado o relatório do deputado Luiz Nishimori (PR-PR), favorável à aprovação.

Ambientalistas afirmam que a alteração restringe o poder da Anvisa de vetar produtos perigosos para a saúde. Já os membros da bancada ruralista, que defendem a aprovação do projeto, dizem que a legislação atual está defasada e não permite que os produtos mais seguros cheguem às lavouras nacionais.

Quem decide quais agrotóxicos podem ser usados? E como isso ficaria no novo projeto?

- Hoje, órgãos dos ministérios da Agricultura, Saúde e Meio Ambiente são responsáveis pela análise. Com a nova redação, ela passaria a ser centralizada apenas na pasta da Agricultura.

Quanto tempo essa análise demora?

- O processo de liberação de novos produtos pode levar mais de cinco anos. Essa é uma das principais críticas dos defensores do projeto à legislação atual. Com a nova regra, esse período cai para 12 meses, período após o qual o produto ganhará registro provisório caso não haja posição conclusiva.

O que dizem os defensores do projeto?

- Deputados da bancada ruralista e membros de associações de produtores rurais afirmam que a legislação atual é defasada e impede que produtos mais seguros cheguem às lavouras. Eles afirmam que o projeto não retira poder da Anvisa, mas apenas dá mais celeridade ao processo de registro.

O que dizem os críticos ao projeto?

- Membros de movimentos como o Greenpeace afirmam que a proposta coloca em risco a saúde da população, uma vez que um dos pontos revoga a proibição do registro de agrotóxicos altamente perigosos.

Como funciona essa revogação?

- Pelo projeto, mesmo produtos que tenham características teratogênicas -ou seja, causadoras de anomalias no útero e malformação em fetos—, cancerígenas ou mutagênicas sejam analisados caso a caso, proibindo-se só os que 'apresentem risco inaceitável para os seres humanos ou meio ambiente'. A Anvisa diz que não há estrutura para fazer essa avaliação caso a caso.

Quais as chances de o projeto avançar na Câmara?

- Na comissão especial, altas. Já que a bancada ruralista compõe a maioria do colegiado. Depois, o projeto ainda tem que passar pelo plenário da Casa. Em ano eleitoral, é pouco provável que seja analisado pelos deputados por ser extremamente polêmico. Com informações da Folhapress.
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!