Postos De SP Rejeitam Combustível Após Atos De Violência; PM Usa Choque.


Proprietários de postos de São Paulo estão recusando receber combustíveis para abastecimento da população em razão de uma série de ameaças e atos de violência praticados por grupos ligados ao movimento grevista.


Houve promessas de ataques a postos por meio de áudios enviados para celulares de proprietários e funcionários desses estabelecimentos.

Essas intimidações levaram ao cancelamento de dezenas de escoltas programadas pela Polícia Militar na noite de domingo (27) para a capital paulista, destinadas a proteger o fornecimento de combustível para o público em geral, e não apenas para o atendimento de serviços emergenciais.

A medida indicava a possibilidade da retomada da rotina de famílias paulistanas, afetadas com o desabastecimento principalmente de combustível para veículos particulares.

Essa operação tinha sido organizada pela cúpula da PM com associações de distribuidores, mas acabou naufragando após a recusa de donos de postos e também de motoristas de caminhões-tanque, igualmente ameaçados.

A PM tinha anunciado ao menos 20 escoltas para a capital das 20h à 0h de domingo, mas minutos depois a operação foi suspensa porque, segundo a corporação, os donos de postos sustaram os pedidos de entrega de combustível com medo de represálias.

Um exemplo do grau de intimidação sofrida pelos funcionários de postos ocorreu na noite de domingo (27) em estabelecimento nos Jardins.

O caminhão com cerca de 30 mil litros de combustível chegou ao local por volta das 18h, escoltado por veículos da PM e por dois supostos sindicalistas em uma motocicleta.

Os frentistas disseram que só venderiam combustível para abastecimento de carros da polícia, até porque os homens que se apresentavam como sindicalistas não permitiam a venda para veículos comuns.

Os funcionários do posto conversaram com a Folha quase sussurrando, com evidente medo da dupla.

Essa era a mesma informação repassada aos clientes que formaram uma fila em poucos minutos em torno do posto.

Com isso, a cidade de São Paulo continuava quase sem opção para abastecer com álcool ou gasolina. Os poucos postos onde ainda havia esses combustíveis tinham filas quilométricas e com constantes conflitos entre usuários.


José Alberto Gouveia, presidente do Sincopetro (sindicato dos revendedores de combustível no estado de São Paulo), afirma que muitos estabelecimentos têm recebido mensagens anônimas com ordem para interromper a comercialização do produto. "As mensagens dizem que vão destruir os postos, atear fogo", diz.

Motoristas de caminhões-tanque também têm sido alvo de ameaças. Nos bloqueios nas estradas, eles são fotografados, bem como seus veículos, e avisados de que não podem levar combustível para postos que fazem a venda para consumidor particular.

Os manifestantes avisam que só permitem envio de combustível para estabelecimentos que fazem o abastecimento de veículos de serviços emergenciais -como de segurança pública, bombeiros e de saúde.

"Dizem que vão pegar quem não cumprir a ordem", afirma Flávio Campos, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo de Campinas (Recap), entidade que representa 1.400 postos em 90 cidades da região.

Na noite de domingo, manifestantes chegaram a atacar um centro de distribuição da Petrobras em Barueri (Grande São Paulo) e depredaram veículos que tentavam deixar a unidade para fazer o abastecimento de óleo para empresas de ônibus.

O comando da Polícia Militar enviou a tropa choque para controlar os manifestantes.

À reportagem, a empresa JSL, proprietária dos veículos, disse que lamentava o episódio.

"A JSL afirma que, desde o início das manifestações, tem orientado seus motoristas e agregados no sentido de continuar operando normalmente, de modo a cumprir os contratos e compromissos", disse, por meio de nota. "Mas sempre prezando pela segurança, tanto das cargas quando dos próprios motoristas."

Na noite desta segunda-feira (28), a Polícia Militar enviou grupamentos do batalhão choque para nove centro de distribuição na Grande SP.

"Já ocorreram vários ataques", diz Gouveia, do Sincopetro. "Eles furam os pneus e atiram pedras no para-brisa."

Nos dias anteriores, houve resistência do governo paulista para liberar a utilização do choque -havia orientação do governador Márcio França (PSB) para evitar conflito.

Também nesta segunda, PMs entraram pela primeira vez em confronto com manifestantes. Um dos conflitos ocorreu no km 25 da rodovia dos Imigrantes, que leva ao litoral, quando motoristas de caminhão fecharam as faixas de todas as pistas, impedindo a passagem dos veículos, inclusive de automóveis.

Um segundo confronto ocorreu em Campinas, no interior de São Paulo, com moradores da região que tentaram fechar uma via.

A ordem do comando da Polícia Militar, segundo a reportagem apurou, é evitar confronto desnecessário com manifestantes, mas não permitir intimidações a caminhoneiros e a postos de gasolina.

"O governo não quer ir para o confronto, o que foi correto até aqui", diz Campos, do Recap. "Mas não há mais o que fazer, o governo já cedeu em tudo o que eles queriam e os protestos continuam", afirma. Com informações da Folhapress.
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!