Centro e esquerda atuam por candidaturas únicas



A um mês e meio do início das convenções partidárias que vão definir os candidatos ao Palácio do Planalto, o cenário eleitoral começa a indicar uma depuração dos 17 nomes que se apresentaram até agora como pré-candidatos. Na avaliação de especialistas e líderes políticos, as articulações que vão levar a um “filtro” das pré-candidaturas serão intensificadas até agosto. O temor de uma eleição polarizada entre um nome da esquerda e o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) motivou um grupo de parlamentares e líderes de vários partidos a lançar nesta terça-feira, 5, na Câmara o “Manifesto do polo democrático”, movimento que vai tentar unificar o “centro” em torno de uma candidatura. Na esquerda, a deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB) admitiu ontem abrir mão de sua pré-candidatura à Presidência. Pela primeira vez um dos presidenciáveis deste campo político fez uma declaração explícita a favor de uma união dos partidos já no primeiro turno da eleição presidencial. “Nós já fizemos o gesto. Se eu não for candidata, os outros três se entendem para nós estarmos unidos? A unidade da esquerda representa isto: nós estaremos todos unidos em uma única candidatura? Os outros três têm essa disposição? Eu não sou óbice”, disse a deputada gaúcha ao Estadão/Broadcast. O objetivo, segundo fontes do PCdoB, é “chamar o PT à razão” de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava Jato, terá a candidatura barrada pela Lei Ficha Limpa e dificilmente deixará a prisão até a eleição. Lula foi sentenciado em segunda instância a 12 anos e 1 mês por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Na análise do cientista político Marco Antonio Teixeira, professor do departamento de gestão pública da FGV-SP, a tendência é de que as pré-candidaturas de centro-esquerda e esquerda se afunilem mais rapidamente na comparação com o campo do centro. “É possível que PDT, PSB e PCdoB se acertem antes do primeiro turno e fortaleçam a campanha de Ciro Gomes”, afirmou. Reservadamente, deputados e líderes partidários dizem que depois da Copa do Mundo o debate deve avançar para a escolhas de nomes que devem compor a chapa nos dois campos. Os partidos que indicarem os candidatos a presidente e a vice terão que sacrificar projetos estaduais em nome da unidade. “O processo vai se afunilar. Haverá uma diminuição no número de candidatos”, disse o presidente do PPS, Roberto Freire.

Estadão
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!