Por conta de relação com a política, camisa amarela do Brasil tem queda de vendas


A tradicional camisa amarela da seleção brasileira, que rendeu o apelido de “canarinho” para o time que disputa a Copa do Mundo 2018, está encalhando nas lojas e perdendo lugar para a versão azul do uniforme. Depois de ser usada por manifestantes a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff, em 2015 e 2016, a amarelinha ganhou uma forte carga política. De acordo com a Exame, a polêmica em torno da camisa impactou as vendas e a versão alternativa ganhou espaço em cima do “ouro samba”. A título de comparação, na última Copa, de cada dez camisas compradas, nove eram amarelas e uma azul. Em 2018, de cada dez camisas compradas, sete são amarelas e três são azuis. O uniforme reserva com a cor azul celestial é inspirado no título mundial de 1958, quando a seleção usou a “azul” pela primeira vez, na final contra a Suécia. Ao se tornar emblema de um pensamento político, a camisa amarela passou a ser rejeitada por aqueles que pensam diferente e alguns torcedores começaram a procurar outras opções. Foi o caso de uma designer mineira que criou uma camiseta vermelha para seleção, com o símbolo da foice e martelo (lembre aqui). Na época, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) proibiu comercialização do produto (veja aqui).
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!