PF indicia Joesley, Mantega, Palocci e mais quatro em inquérito ligado ao BNDES Foto: Ed Ferreira/Estadão



A Polícia Federal indiciou os ex-ministros da Fazenda dos governos do PT Guido Mantega e Antonio Palocci, o empresário Joesley Batista e o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Luciano Coutinho no inquérito da Operação Bullish – investigação sobre suposto rombo de R$ 1 bilhão em operações financeiras do banco para favorecer a JBS, de Joesley. As informações foram divulgadas pela repórter Camila Bomfim, da TV Globo, e confirmadas pelo Estadão. São sete indiciados ao todo no inquérito Bullish. Além dos ex-ministros, do empresário e do ex-presidente do BNDES, a PF enquadrou Caio Marcelo de Medeiros Melo, Victor Garcia Sandri e Gonçalo Ivens Ferraz da Cunha de Sá. A PF concluiu que o BNDES, na gestão Luciano Coutinho (2007/2016) favoreceu a JBS de Joesley, por meio de operações financeiras ilícitas. A Mantega, especificamente, a PF atribui crimes contra o sistema financeiro, lavagem de dinheiro, quadrilha e corrupção passiva. A Palocci, a PF imputa corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Joesley foi indiciado por crime contra o sistema financeiro, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Luciano Coutinho é acusado de crime contra o sistema financeiro, quadrilha, lavagem de dinheiro e patrocínio de interesses privados perante a administração pública, valendo-se da qualidade de funcionário. Sobre Mantega, a PF cravou. “O papel do ex-ministro Guido Mantega foi o de um verdadeiro agente duplo, pois, ao mesmo tempo em que era o ‘gerente de projeto’ da internacionalização da empresa Friboi – JBS S/A., desde a concepção inicial do projeto, era também o responsável pela edição de atos e políticas governamentais que garantiram a execução desse projeto”. Em outro trecho do relatório da Operação Bullish, a PF ainda diz sobre Mantega. “Por, na condição de ministro da Fazenda, ter favorecido em decisões macroeconômicaas do Governo a empresa Friboi- JBS S/A ao mesmo tempo em que atuava como uma espécie de lobista do empresário Joesley Mendonça Batista no Governo Federal (agora sem a atuação de intermediários), promovendo reuniões junto ao ex-presidente do BNDES, Luciano Galvão Coutinho, e gestores de Fundos de Investimento, acelerando tramitações, destravando eventuais embargos que surgissem nos projetos de investimento, conforme narrativa de Joesley Mendonça Batista, corroborada pelas provas colhidas nos autos e também na Operação Sépsis, compartilhadas com essa investigação.” A PF destaca o que a levou a indiciar Palocci. “Em razão de ter recebido da JBS S/A o valor de quase R$ 2,5 milhões, enquanto exercia o mandato de deputado federal da base do Governo, a título de ‘consultoria’, em contratos firmados com a Projeto Consultoria, representada por sua secretária, Rita de Cássia dos Santos”. Sobre Luciano Coutinho, diz o relatório. “Desse modo, e por todo o conjunto de provas materiais e testemunhais, conclui-se que o ex-presidente Luciano Galvão Coutinho aceitou e assumiu a tarefa de encabeçar a instituição com o intuito de garantir a continuidade de um ciclo de retroalimentação de propinas, inaugurado na gestão de Guido Mantega à frente do BNDES. Reitere-se que as doações apenas foram possíveis com investimentos muito maiores do que o necessário para atingimento das finalidades de internacionalização da JBS S/A”.

Estadão Conteúdo
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!