PF rastreia R$ 23 milhões da JBS a empresas ligadas a Kassab, afastado por Doria


A Polícia Federal rastreou pagamentos de R$ 23 milhões da JBS a empresas ligadas ao ex-ministro Gilberto Kassab (PSD), hoje secretário licenciado da Casa Civil da gestão João Doria (PSDB) no Governo de São Paulo.

Kassab está licenciado do governo do estado para se defender das suspeitas de recebimento de dinheiro ilegalmente da JBS. O decreto de afastamento foi publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo desta sexta-feira (4).

O valor de R$ 23 milhões aparece em relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) no inquérito que investiga repasses de R$ 58 milhões pelos irmãos Wesley e Joesley Batista a Kassab e ao PSD. A informação foi revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A operação da Polícia Federal trata de um suposto esquema de recebimento de recursos ilícitos de 2010 a 2016. Um dos donos da JBS, Wesley Batista, afirmou que pagou propina de R$ 350 mil por mês a uma empresa ligada a Kassab, a Yape Consultoria e Debates, envolvendo contratos superfaturados de aluguel de caminhões. O valor total atingiria cerca de R$ 30 milhões, segundo o delator.

Kassab foi alvo de uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal. Na ocasião, foram encontrados em sua casa em São Paulo R$ 300 mil em dinheiro. Ele nega irregularidades.

Os pagamentos suspeitos foram feitos à empresa Yape Consultoria (total de R$ 16,9 milhões), empresa da qual Kassab foi sócio até 2014 e era administrada por seus irmãos. Também é citada no inquérito outra empresa da família de Kassab, a Yape Transportes, que recebeu R$ 6,1 milhões.

A investigação apura suspeita de que, enquanto a empresa de transportes prestava os serviços, a de consultoria não teria realizado.

"No caso, o que estaria a ensejar suposta conduta criminosa por parte de Gilberto Kassab refere-se exclusivamente ao contrato com a empresa Yape Consultoria, visto que nesse, segundo Wesley, os pagamentos teriam ocorrido sem qualquer contraprestação de serviços, tendo como objetivo apenas garantir a influência futura do referido político", diz trecho da investigação.

No entanto, o relatório também coloca em dúvida a delação de Wesley e afirma que é necessário que a investigação prossiga para que se possa fazer tal afirmação, uma vez que há relato de atividades na empresa e que Kassab sustenta ter prestado serviços.

"Nesse espectro de antagonismo entre a versão apresentada pelo colaborador e a dos investigados, ainda persiste um quadro de razoável dúvida sobre a questão de ter havido de fato ou não a efetiva contraprestação de serviços por parte da empresa Yape Consultoria, a justificar os pagamentos realizados pela JBS", diz outro trecho da investigação.

OUTRO LADO

Kassab afirmou, por meio da assessoria de imprensa, que as empresas prestaram serviços a preços de mercado, "que estão documentados de forma robusta e consistente, em relação comercial iniciada em 2006 ainda com empresa que foi posteriormente adquirida pela JBS".

"Tais informações já foram apresentadas à investigação. Kassab reitera sua confiança na Justiça brasileira, no Ministério Público e na imprensa, e entende que quem está na vida pública deve estar sujeito à especial atenção do Judiciário. Reforça estar à disposição para quaisquer esclarecimentos que se façam necessários e ressalta, mais uma vez, que todos os seus atos seguiram a legislação e foram pautados pelo interesse público”, completa a nota.
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!