Bachelet faz denuncia de 57 casos de execuções e tortura na Venezuela



A Alta-Comissária da ONU para os Direitos Humanos, a chilena Michelle Bachelet, denunciou nesta segunda-feira (9) novos casos de execuções extrajudiciais, torturas e maus-tratos de presos na Venezuela. 



Durante seu discurso na 42ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, Bachelet apresentou um novo relatório muito duro sobre a situação na Venezuela sob o governo do presidente Nicolás Maduro, segundo o Estadão.



Na semana passada, a ex-presidente chilena foi alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro por denunciar aumento na violência policial no Rio de Janeiro e o estado da democracia no Brasil. Na ocasião Bolsonaro ofendeu o pai da alta-comissária, Alberto Bachelet, vítima de execução extrajudicial na ditadura de Augusto Pinochet. 



"Meu escritório continuou documentando casos de possíveis execuções extrajudiciais cometidas por membros das Forças de Ação Especiais da Polícia Nacional - conhecidas como FAES - em algumas comunidades do país", afirmou. 



"Apenas no mês de julho, a organização não governamental 'Monitor de Vítimas' identificou 57 novos casos de supostas execuções cometidas por membros da FAES em Caracas", disse a ex-presidente chilena.



Bachelet indicou ainda que o Alto-Comissariado documentou casos de tortura e maus-tratos, tanto físicos como psicológicos, de pessoas arbitrariamente privadas de sua liberdade, em particular de militares.



Em contraposição a estas denúncias, Bachelet disse que o governo de Maduro cumpriu a libertação de 83 pessoas, incluindo aquelas cuja detenção havia sido considerada arbitrária. 



Um primeiro relatório foi apresentado em 5 de julho, no qual Bachelet havia denunciado a erosão do Estado de direito na Venezuela, advertindo também que as sanções internacionais agravavam a crise no país.



"A situação dos direitos humanos continua afetando milhões de pessoas na Venezuela e com claros impactos desestabilizadores na região", reiterou nesta segunda-feira. "A economia venezuelana atravessa o que poderia ser o episódio hiperinflacionário mais agudo que a América Latina já experimentou".



Bachelet criticou ainda ações recentes do chavismo com o objetivo de aprovar uma lei que tipifica como crime as atividades das organizações nacionais de direitos humanos que recebem recursos do exterior. 



"Essa lei, se aprovada e aplicada, reduzirá ainda mais o espaço democrático", advertiu a representante da ONU.



Ela também insistiu que as sanções do governo do presidente americano Donald Trump contra o governo de Maduro contribuem para agravar a situação humanitária do país.
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!