Ex-PM trabalhava para bicheiro quando foi 'herói' de Bolsonaro


O ex-capitão da PM Adriano da Nóbrega, morto no início do mês numa operação policial na Bahia, passou a integrar um grupo de contraventores no Rio de Janeiro no mesmo ano em que recebeu homenagem do hoje senador Flávio Bolsonaro e foi defendido publicamente pelo atual presidente da República, Jair Bolsonaro.

A informação consta do depoimento de 2008 do pecuarista Rogério Mesquita, um ex-colaborador do grupo de Waldemiro Paes Garcia, o Maninho, um dos chefes do jogo do bicho na capital fluminense.

Mesquita afirmou à Polícia Civil que indicou Adriano, um amigo de sua família, para compor a segurança de Alcebíades Paes Garcia, o Bidi, irmão de Maninho, após a morte do contraventor e de seu pai, Waldomiro Garcia, o Miro, em setembro e outubro de 2004, respectivamente.

Bidi foi morto na última terça (25), quando teve o carro atingido por cerca de 20 disparos.

Mesquita era homem de confiança de Maninho e assumiu a gestão de bens da família após o assassinato do amigo. Ele não especificou a data em que indicou Adriano para compor o grupo de Bidi, que então assumiu parte dos negócios, mas disse ter ficado à frente do grupo por apenas quatro meses. Na época, Adriano teria participado mesmo estando preso, dando orientações para um preposto.

"Quando Bidi resolveu assumir a fazenda, o declarante lhe disse que ele deveria se precaver e contratar um corpo de seguranças que pudessem lhe trazer mais tranquilidade", aponta o depoimento de Mesquita.

O relato levanta mais dúvidas sobre a versão do presidente Jair Bolsonaro de que, quando Adriano foi condecorado a seu pedido, o ex-PM era considerado um herói. O ex-capitão recebeu a medalha Tiradentes de Flávio em junho de 2005 e foi defendido por Jair em discurso na Câmara em outubro do mesmo ano, após ser condenado por homicídio.

"Isso [homenagem] aconteceu há 15 anos atrás [sic]. As pessoas mudam. Para o bem ou para o mal", disse o presidente há duas semanas. "Condecorei o Adriano há mais de 15 anos. Como posso adivinhar o que ele faz de certo ou errado hoje?", disse Flávio.

Em entrevista ao jornal O Globo, o vereador Ítalo Ciba (Avante) afirmou que Flávio visitou Adriano "mais de uma vez" quando o ex-capitão esteve preso, de 2004 a 2006, acusado da morte do guardador de carros Leandro dos Santos Silva, 24, assassinado em novembro de 2003.

O então policial chegou a ser condenado no tribunal do júri em outubro de 2005, mas conseguiu recurso, foi solto em 2006 e absolvido no ano seguinte. Bolsonaro costuma dizer que Leandro tinha envolvimento com o tráfico, que morrera em confronto e minimiza o caso. O jovem, porém, foi morto após denunciar policiais por extorsão.

Mesquita afirmou que, mesmo preso, Adriano recebia um salário de R$ 5.000 da contravenção e indicava colegas policiais para proteger Bidi. Em novembro de 2006, quando foi solto, ele passou a exercer a função fora da cadeia, acumulando também a segurança de um genro de Maninho.

Após a saída de Adriano da prisão, novos vínculos entre o ex-capitão e a família Bolsonaro se estabeleceram. O ex-PM teve dois parentes nomeados no gabinete de Flávio na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). O ex-policial também foi citado na investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro que apura se houve "rachadinha" no gabinete de Flávio na Alerj.

A ficha criminal de Adriano também se ampliou. Ele chegou a ser preso por duas vezes, acusado de tentar matar o próprio Mesquita, em maio de 2008. Foi absolvido. Acabou expulso da PM em 2014 por chefiar a segurança de José Luís de Barros Lopes, o Zé Personal, genro de Maninho.

O depoimento de Mesquita foi dado em inquérito que investigava a tentativa de homicídio contra ele. O pecuarista acusou o ex-PM de ter tentado matá-lo a mando de Zé Personal. Apontou ainda o ex-capitão como o responsável por outros sete homicídios.

Sete meses depois, Mesquita foi assassinado em Ipanema, a duas quadras da praia, em plena luz do dia, num caso nunca solucionado.

A Presidência da República afirmou que não comentaria o caso. O senador Flávio Bolsonaro não respondeu aos questionamentos enviados pela reportagem.

O advogado de Adriano, Paulo Emílio Catta Preta, disse não ter informações sobre o envolvimento do ex-capitão com Bidi. Em depoimento à Polícia Civil em 2008, o ex-PM negou ter trabalhado como segurança tanto do irmão como do genro de Maninho.
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!