Noronha Nega Liberdade a Ex-Funcionário Do Extra Acusado De Tortura.



O ministro João Otávio de Noronha, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou no último dia 24 pedido liminar de liberdade a Antonio Soares Almeida, empregado do Extra Morumbi, na zona sul de São Paulo, preso preventivamente desde outubro de 2019 por suposta participação em tortura contra um homem que teria tentado furtar carne do mercado.


O caso foi revelado em setembro, quando circularam nas redes sociais imagens que mostram a vítima amarrada, amordaçada e com as calças abaixadas, levando choques e sendo golpeada com um cabo de vassoura. As gravações seriam de 2018.

O vídeo mostra ainda que os seguranças obrigavam a vítima a repetir frases enquanto era agredida: "Galera, não rouba mais no Extra Morumbi" e "Eu errei e me ferrei".

De acordo com o Ministério Público de São Paulo, Antonio Almeida e mais cinco pessoas, entre grupo de funcionários da loja e de seguranças terceirizados, abordaram um homem no caixa do hipermercado, quando ele tentava deixar o local com três peças de carne.

Segundo a denúncia, após perceber que havia sido flagrado, o homem devolveu os itens, mas foi levado a uma sala onde recebeu socos, foi amarrado com fio elétrico e ainda sofreu choques elétricos.

A Promotoria indica que Antonio Almeida foi um dos responsáveis por filmar as agressões. A defesa do ex-funcionário do Extra recorreu ao Superior Tribunal de Justiça contra decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), que manteve a prisão preventiva do suspeito, com base "nos fortes indícios do cometimento do crime de tortura".

Ao STJ, os advogados alegaram que Almeida é réu primário, tem residência fixa e ocupação lícita. Argumentaram que o decreto prisional tem fundamentação genérica, sem justificação adequada da necessidade de manter a medida cautelar.

Ao analisar a liminar pedida pela defesa, Noronha considerou que não foram demonstrados elementos que comprovem a ilegalidade da prisão preventiva. O presidente do STJ também indicou que a solicitação se confundia com o mérito do habeas corpus, sendo necessário que a Sexta Turma da Corte analise o caso, sob relatoria do ministro Sebastião Reis Júnior.
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!