Bolsonaro vê sua imagem derreter, e mundo passa a ter medo do Brasil



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O americano Vincent Bevins, ex-correspondente do Los Angeles Times no Brasil, estava em São Paulo de passagem quando os números da pandemia explodiram.Iria começar uma turnê de promoção de seu livro sobre ditaduras, "The Jakarta Method" (PublicAffairs), mas tudo parou. "Era para estar viajando pelo mundo", lamenta, confinado na praça da República.


Começou então algo inusitado. "Familiares nos EUA e amigos meus na Ásia", onde esteve nos últimos anos como correspondente, "passaram a entrar em contato, perguntando se estou seguro, se o presidente está me ameaçando".

O ex-ministro Rubens Ricupero descreve a imagem do Brasil no exterior, hoje, como "o lugar de que as pessoas têm medo". Ou ainda, em sua primeira resposta ao ser questionado sobre o tema: "Seria o caso de perguntar 'que imagem?'. Como coisa positiva, acabou".

Seu colega de governo Itamar Franco, o ex-chanceler Celso Amorim, vai pela mesma linha. "Não há mais imagem. É a caricatura do Brasil no exterior. Só que a caricatura foi desenhada aqui dentro. E tem um certo rosto."

É o rosto do presidente Jair Bolsonaro. Para Ricupero, "já era ruim com o início do governo, mas com a pandemia isso se multiplicou, é o tempo todo, em todo lugar".Ele conta ter sido procurado na quinta-feira (28) por uma publicação de análise política de Bruxelas e na sexta (29) para falar a uma rádio de Buenos Aires, com temas como os ataques ao meio ambiente e as ameaças à democracia.

"Em resumo, não sobrou nada do que o Brasil tinha antes, se nós compararmos com aquela famosa capa do Cristo Redentor decolando no Economist, em 2009." Só ficou "o grau de atenção internacional ao Brasil, que se elevou muito", mas hoje com sinal contrário.No último mês e meio, saíram editoriais alarmados sobre o país, com a opinião institucional dos jornais, no Washington Post, Le Monde, Financial Times, El País e The Guardian. Em todos, o foco é Bolsonaro.

Para o jornalista americano Brian Winter, vice-presidente da Americas Society/Council of the Americas, organização voltada à política externa dos EUA, porém, a crise na imagem do Brasil começou antes.


"Eu acredito que o Brasil é admirado internacionalmente quando é próspero", diz ele, editor da revista da AS/COA. "Não é o caso desde pelo menos 2013. Portanto, o declínio de sua imagem antecede Bolsonaro por vários anos."

Winter afirma, por outro lado, que "não há dúvida de que a reputação sofreu impacto adicional em 2019 com os incêndios na Amazônia". "E agora os holofotes estão novamente no país devido ao manejo da pandemia por Bolsonaro."

O jornalista brasileiro Daniel Buarque, autor de "Brazil, um País do Presente: A Imagem Internacional do 'País do Futuro'" (Alameda, 2013), avalia que hoje "a imagem do Brasil é negativa, mas é especialmente negativa a imagem do governo Bolsonaro".

No caso da pandemia, "tudo é colocado na conta dele, e o Brasil é apontado até como vítima". Buarque, que prepara doutorado sobre o tema no King's College London, diz que em seus contatos com acadêmicos voltados ao país é comum diferenciar o Brasil de seu presidente.

"Se não acontecer nada radical até 2022, outro pode ganhar e começar tudo de novo", diz. "É uma imagem que pode ser limpa, zerada."Winter acha que a mudança pode vir antes. "A 'boa notícia' é que as memórias são muito curtas, especialmente na era das mídias sociais. Reputações podem ser rapidamente consertadas se as circunstâncias mudarem."
Compartilhe no Google Plus

Sobre TRIBUNA DE IBICARAÍ

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Tribuna de Ibicaraí. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!